Como se tornar amigo de alguém

Primeiro dia no colégio novo

2020.11.23 08:47 videoli1991 Primeiro dia no colégio novo

Eu sei que isso parece bobo com todos os desabafos que são postados aqui, mas vamo lá né.
Eu tenho 18 anos e estou terminando o 1° ano do ensino médio agora em 2020, e desde o começo do ensino fundamental 2 eu to num colégio do meu bairro, pelo tempo que fiquei lá e o meu carisma, acabei ficando "popular", e todo primeiro dia de aula eu sempre recebia os alunos novos bem, me apresentando e me colocando como alguém com que eles podiam tirar qualquer dúvida, eu chamava os tímidos pra jogar aquele poker no intervalo, conversar e etc.
Agora, eu procurando um colégio mais forte pra preparação para vestibular, acabei me matriculando pra um colégio em outra parte da minha cidade,(bem longe do meu atual), é um colégio bom e parece legal, mas eu até agora to muito tenso sobre como as pessoas vão me ver, porque é como se os papéis tivessem sido trocados. Eu que sempre fui o cara que abraçava os novos alunos, vou me tornar um aluno novo no próximo ano. Tenho medo de me rejeitarem, ou/e eu ser só mais um na turma.
Algum conselho, amigos?
submitted by videoli1991 to desabafos [link] [comments]


2020.11.19 17:53 janos-leite Implicações éticas das novas tecnologias da informação

As tecnologias da informação produzem diversas mudanças na vida social. Por exemplo, novas formas de interação social entre indivíduos distantes fisicamente, porém conectados pela internet. Esses efeitos podem parecer inofensivos, mas eles podem se tornar um assunto bastante controverso. A tecnologia não apenas expande o alcance da ação humana, ela pode alterar permanentemente o modo como as pessoas se relacionam e também o que elas esperam de uma interação social. A leitura que se faz da pessoa com quem se está interagindo, por exemplo, é diferente quando não se pode avaliar suas reações emocionais e componentes não-verbais da comunicação.
Com o avanço da análise de dados, é provável que os aplicativos consigam ler sinais gestuais ou analisar sentenças e tom de voz de uma pessoa, usando câmera e microfone, para compreender o comportamento de usuários melhor do que eles mesmos compreendem. Quais seriam as implicações éticas desse tipo de tecnologia?
Algumas técnicas de avaliação psicológica deveriam ser usadas apenas com consentimento, por uma pessoa qualificada e somente num contexto terapêutico. Usar certas técnicas de psicologia fora dessas condições é eticamente questionável, pois as consequências podem ser desastrosas. Infelizmente tais técnicas são rotineiramente usadas por praticantes de coaching, e podem ser aplicadas para novas tecnologias de interação também.
Em 1936, Dale Carnegie lançou um livro chamado Como fazer amigos e influenciar pessoas, que se tornou um dos mais vendidos e mais influentes de todos os tempos, sendo o grande responsável pelo estabelecimento do gênero conhecido como “auto-ajuda”. No livro, Carnegie enumera uma série de dicas para ser melhor sucedido nas interações. Mais recentemente, o livro recebeu uma atualização para o contexto da era digital, mostrando que ele permanece relevante nas interações via internet.
Essas técnicas podem realmente ajudar a lidar com pessoas, mas também podem dar ferramentas perigosas nas mãos de pessoas com traços sociopatas. Num artigo de 2013, Diane Brady lembra que Jeff Guinn, autor de um livro sobre Charles Manson, afirmou que “foi o treinamento de Carnegie que auxiliou a transformação de Manson de ‘um cafetão de baixo nível’ para um ‘sociopata assustadoramente eficaz’, que criou um culto de assassinos no final dos anos 1960”. Quando tais técnicas estão facilmente disponíveis para serem usadas por qualquer pessoas e para qualquer fim, problemas irão surgir.
A normalização de certas tecnologias sociais antes que compreendamos seu efeito na subjetividade também pode ser um problema. Isso já está acontecendo nas redes sociais, quando as técnicas para “ganhar mais seguidores” alteram a lógica das interações cotidianas. Fica pior ainda quando as novas gerações já tem sua socialização primária mediada por estas disposições.
Outro problema diz respeito à nossa relação com inteligências artificiais. O problema de convivermos com simulações pode ser observado no efeito de “dating sims” (simuladores de encontros) na sociabilidade. Estes softwares oferecem interações simuladas para pessoas que podem nunca ter experimentado interações daquele tipo na vida real, o que pode moldar suas disposições afetivas na vida real.
No artigo Should Children Form Emotional Bonds With Robots? (Crianças deveriam formar laços afetivos com robôs?), Alexis Madrigal cita Sherry Turkle para criticar essa mediação tecnológica logo na infância, afirmando que crianças precisam de conexões com pessoas reais para amadurecer emocionalmente. “Empatia simulada não é suficiente. Se os relacionamentos com brinquedos inteligentes nos afastam daqueles com amigos ou familiares, mesmo parcialmente, poderemos ver crianças crescendo sem as condições necessárias para uma conexão empática. Você não pode aprender isso com uma máquina”.
Mas será que nossa sociedade providencia um ambiente onde as relações com pessoas reais podem acontecer sem serem mediadas por tecnologias? Será que as condições para o amadurecimento emocional estão igualmente disponíveis para todas as pessoas? Será que adultos são emocionalmente maduros o suficiente para lidar com as novas tecnologias da informação?
Existe um risco de se perder referências sociais e emocionais, na medida em que a distinção entre uma reação humana real e uma simulada se dissipa. As relações emocionais maduras são resultado de uma construção social. Quando se interage com um robô dizendo “é só um robô, posso fazer o que quiser”, uma parte da empatia para com pessoas reais pode ser comprometida. Um fenômeno semelhante ocorre com a banalização da violência, quando se diz “é só um filme”. O efeito dessa perda de empatia afeta principalmente certo arranjo de gênero, classe e etnia, o que significa que essa perda de empatia se reflete principalmente numa intolerância racista, sexista e elitista.
No artigo Not every kid-bond matures (Nem todo vínculo infantil amadurece), Gabriel Winant, resenhando o livro Kids These Days: Human Capital and the Making of Millennials (Crianças nos dias de hoje: capital humano e a geração dos millennials), de Malcolm Harris, argumenta:
“A crise generalizada do capitalismo (…) impôs uma enorme pressão competitiva aos jovens para produzir ‘capital humano’. Esse conceito, essencial no pensamento econômico neoliberal, quantifica o conjunto de qualidades humanas economicamente valiosas, educação, habilidades, disciplina, acumuladas ao longo de uma vida. Está no subtítulo do livro porque é a chave do argumento de Harris. A mão oculta que molda millennials, produzindo nossos atributos estereotipados aparentemente diversos e até contraditórios, é o imperativo de intensificação, tanto exterior como também profundamente internalizado, da maximização do nosso próprio valor econômico potencial. (…) O capitalismo está comendo nossos jovens. É só nos alimenta com abacates para nos engordar primeiro.”
É possível deduzir uma relação entre a mediação tecnológica da interação e o conceito de capital humano? Isso exigiria mais pesquisa, porém permita-me adicionar mais um ingrediente nesta sopa e problematizar um pouco mais.
Num artigo de 2018, chamado How the Self-Driving Dream Might Become a Nightmare (Como o sonho da auto-direção pode se tornar um pesadelo), David Alpert pergunta: “O que acontecerá se aceitarmos que um certo número de mortes de pedestres é uma parte inevitável da adoção de veículos autônomos?”. Este problema ético não é tão simples quanto parece. Não basta, por exemplo, dizer que os pilotos automáticos são mais seguros que os motoristas humanos, porque há outros fatores nessa questão. Por exemplo: quem será responsabilizado por esses acidentes? A reflexão foi estimulada pela notícia da primeira morte num acidente com veículo auto-dirigido. A conclusão do autor é que, provavelmente, os próprios pedestres podem ser responsabilizados.
Alpert oferece o seguinte experimento mental: imagine que duas empresas concorrentes ofereçam o mesmo serviço de transporte com veículos autônomos. Uma delas tem um algoritmo um pouco mais cuidadoso para evitar acidentes, e a outra tem um algoritmo mais “ousado”, que resulta em tempos de viagens significativamente menores. Uma pessoa atrasada para uma reunião importante escolhe o serviço que oferece mais rapidez, e no caminho uma pessoa é atropelada. Qual a responsabilidade da pessoa que, sinceramente, só queria chegar mais rápido ao seu compromisso?
A tendência das empresas é dizer que há “pessoas demais na rua”, e as mortes de pessoas podem acabar sendo justificadas em nome da velocidade, do mesmo modo como já são quando se escolhe locomover-se de carro e não com transporte público.
As reflexões éticas em relação a veículos autônomos podem ser aplicadas a outras tecnologias. De quem seria a responsabilidade pela insensibilização e perda da referência emocional com o uso de tecnologias sociais, por exemplo?
Em What Do We Know About Autonomous Vehicles?, Carl Anderson defende que veículos autônomos terão muito impacto em nossas vidas, mas essa tecnologia “está chegando”, não há nada que possamos fazer para impedi-la de ser desenvolvida, e nossas reflexões éticas deveriam se restringir a pensar em como conviver com ela. Essa posição me parece irrazoável, determinista e eticamente injustificável.
A afirmação de que certa tecnologia “já está aqui” e não pode ser resistida implica num posicionamento ético que dá um valor intrínseco ao desenvolvimento tecnológico. É uma atitude determinista afirmar que algo será feito independente das nossas considerações éticas. É também um tipo de otimismo injustificado, que pressupõe que nenhum problema ainda desconhecido se colocará no caminho desse desenvolvimento, como de fato ocorreu em diversos momentos da história, em que se construiu uma imagem de futuro que na verdade não se realizou.
Anderson reduz as questões éticas relacionadas à essa tecnologia dizendo: “As pessoas morrerão à medida que desenvolvemos as capacidades de veículos autônomos – assim como as pessoas morreram durante o desenvolvimento de aeronaves, viagens espaciais ou submarinas. As grandes inovações sempre têm um custo humano, mas a tecnologia sem motorista deve resultar em uma redução significativa das mortes anuais de automóveis”.
O que acontece quando assumimos a validade dessa justificação? Pessoas irão morrer, mas essas mortes são apenas o “custo humano” de todas as tecnologias. Cientistas tem o direito de sacrificar vidas em nome do progresso científico? Se há uma linha que separa a ética da ciência da realidade do avanço científico, como traçá-la?
Anderson diz que:
“Inevitavelmente, os veículos se deparam com o “problema do bonde”, um dilema ético em que o veículo precisa decidir entre duas ou mais ações, cada uma com algum custo – por exemplo, o que é pior: desviar para a esquerda e matar quatro avós ou desviar à direita e matar uma mãe e seu bebê? Alguém tem que programar esses comportamentos ou desenvolver uma IA que aprenda a tomar essa decisão. Não temos certeza de quem tomará essas decisões éticas e quem as regulamentará.”
O problema é que, assumir que tal programação seria eticamente válida é um equívoco. Como Brianna Rennix e Nathan J. Robinson argumentam em The Trolley Problem Will Tell You Nothing Useful About Morality (O problema do bonde não lhe dirá nada útil sobre a moralidade), reduzir a ética a esse experimento mental não apenas é equivocado em termos filosóficos, como pode ser prejudicial à saúde mental, reduzindo nossa capacidade empática.
Outra afirmação de Carl Anderson: “Assim como os smartphones dissolvem a separação entre vida profissional e doméstica, os veículos autônomos também dissolvem a separação entre vida doméstica, de transporte e de escritório”. Em outras palavras, as pessoas poderão trabalhar enquanto comutam. E como exatamente este autor pensa que isso seria bom para a sociedade?
O mesmo tipo de problema ético vem à tona quando se considera o estudo dos algoritmos e técnicas de mineração de dados para maximização da influência em redes sociais. O que acontece quando descobrimos as técnicas mais eficazes de “incentivar pessoas a adotar uma linha de pensamento”? Na prática isso significa manipulação. A ideia de que precisamos “manipular ou ser manipulados” pode estar se popularizando na internet, com efeitos desastrosos para a ética.
Eu não vou tentar solucionar este problema aqui. Mas as implicações éticas complexas das novas tecnologias são um dos motivos que devem nos levar a questionar a lógica inerente ao progresso tecnológico de modo ainda mais fundamental do que temos feito até agora. A radicalização das críticas à modernidade pode transformar a filosofia num incômodo para entusiastas do progresso científico, mas pode também evitar a perda de aspectos fundamentais da nossa humanidade.
submitted by janos-leite to Filosofia [link] [comments]


2020.11.19 03:20 Throwaway7498247 Namorada Me Traiu

namorada me traiu. tentou esconder de mim. mando uma última mensagem longa, me despedi e a bloqueei. nenhuma resposta dela por 24 horas... Parece que eu estava certo e as ações falam mais alto que palavras..
eu estou sofrendo muito.. ela me traiu quando meu pai está morrendo e eu estou longe por esse motivo. como alguém pode fazer isso com você? chutar você enquanto você está para baixo é um eufemismo ..
eu não espero nada de postar isso. Passado é passado. é apenas para alguém ouvir enquanto eu digo com todo o coração. alguém promete que sempre estará lá para você, alguém diz que ama você. palavras não têm sentido hoje em dia...
comprimidos vai se tornar meu melhor amigo agora. Eu sinto Muito.. eu te amo..
submitted by Throwaway7498247 to desabafos [link] [comments]


2020.11.08 01:25 darkssister Você não sabe nada, Jon Snow

Depois de muito tempo vou analisar mais um capítulo de A Guerra dos Tronos e a Filosofia, continuando a Parte Três “O Inverno está chegando”, essa parte fala principalmente sobre o sobrenatural da saga.
11- “VOCÊ NÃO SABE NADA, JON SNOW”: HUMILDADE EPISTÊMICA PARALÁ DA MURALHA por Abraham P. Schwab
“A epistemologia, uma das principais ramificações da investigação filosófica, é o estudo do que sabemos, de como sabemos e do que significa saber algo.” (p.155) Schwab defende que o estudo da epistemologia é importante pois pode nos ajudar a tomar decisões de forma mais inteligente.
Embora muitos capítulos deste livro lidem com questões filosóficas a respeito de como alguém deve se comportar, responder a essas perguntas depende, em primeiro lugar, de determinar o que essa pessoa sabe.
(p.156)
O autor da como exemplo Stannis ofertar Winterfell para Jon Snow. A atitude que Jon toma ganharia uma luz diferente caso ele soubesse que Bran e Rickon estão vivos (mas ele sabe que Sansa está viva e afirma a pretensão dela de Winterfell).
Schwab diz que a humildade epistêmica exige a capacidade de reconhecer o que não sabemos e também que reconheçamos o que deveríamos saber. Jon não aceita totalmente a ligação especial que tem com Fantasma. (...) Muitos de seus amigos e inimigos lhe dizem que ele é um warg, e mesmo assim ele duvida. Como resultado, Jon não consegue aproveitar as possibilidades de sua ligação com o animal, como faz Bran com Verão. Sam também tem dúvidas infundadas sobre si mesmo: "ele não sabe que é corajoso, mesmo tendo atacado e matado um Outro. (...) Por não se achar corajoso, os atos de bravura de Sam são aleatórios e pobremente planejados."
De um jeito ou de outro, tanto Sam quanto Jon têm dificuldade para progredir por não conhecerem a si mesmos. (...) Eles não conseguem ser epistemicamente humildes, porque não reconhecem quando uma suposição de ignorância foi questionada por fortes evidências.
(p. 158-159)
Ele compara os rapazes com Bran, que assim como Jon é um warg e não tem dúvidas disso, isso permite que ele ajude Jon a escapar dos selvagens através de verão. Para mim, o posicionamento de Bran não é necessariamente uma humildade epistemológica e se trata mais do contexto que ele está inserido.
“(...) a humildade epistêmica também exige uma tentativa de ajustar a certeza que temos no que alegamos saber” (p.159). Ajustar a certeza nos permite distinguir os momentos em que sabemos e não sabemos de algo e também nossos níveis de sabedoria.
Crença verdadeira justificada
Para saber algo, você precisa acreditar, mas para a crença se tornar conhecimento ela precisa ser justificada. Sam não sabe que o vidro de dragão é eficaz contra um Outro, mesmo assim ele ataca a criatura acreditando que ela pode ser eficaz, quando o Outro morre Sam tem uma justificativa para sua crença, nesse momento ela passa a ser conhecimento. Vale lembrar que algumas crenças justificadas podem acabar não sendo verdadeiras. Os patrulheiros acreditam que Othor e Jafer Flowers estão mortos por causa do estado de seus corpos, mas há algo de errado neles e eles não estão tão mortos assim. Para mim, Schwab deu exemplos muitos bons para entender como o conhecimento é criado, principalmente em uma sociedade em que a ciência não é difundida, e mesmo assim esse conhecimento pode não ser certeza absoluta.
René Descartes (1596-1650) despejava o ácido da dúvida em tudo, só para ver o que permanecia. Mas quase nada resiste a esse ácido; afinal, do que não se pode duvidar? (...) Se esperarmos até termos certeza absoluta, nunca poderemos alegar ter uma justificativa para uma crença que acaba não sendo verdadeira. A desvantagem, contudo, é que teríamos pouquíssimas crenças para as quais poderíamos alegar justificativa.
Há uma alternativa que merece ser mencionada: o confiabilismo. (...) Uma epistemologia confiabilista tem por objetivo identificar processos confiáveis a fim de produzir crenças. Quanto mais confiável o processo, mais valioso (em termos epistêmicos) ele é. O confiabilismo permite um conjunto mais amplo de crenças justificadas, mas algumas de nossas crenças justificadas podem acabar sendo falsas.
(p. 161-162)
O testemunho de outra pessoa obviamente não entra no critério de certeza absoluta para justificar uma crença, mas se a lógica do confiabilismo for adotado pode até ser. Nas sociedades de Planetos os testemunhos são muitas vezes a única ‘prova’ que eles têm. O autor dá o exemplo da morte de Ned Stark, da qual só Sansa Stark viu, sem confiar no relato de outra pessoa o resto da família não teria a certeza absoluta da morte dele.
Confiar nem sempre dá certo, já que uma mentira (muito justificável por sinal) levou Catelyn e Ned a acreditarem que Jon Arryn foi morto pelos Lannister, a ‘queda’ de Bran parece dar mais força ainda ao relato, é quase uma crença justificada...que mundo cruel.
\*
O autor analisa uma perspectiva epistêmica que encontramos em muitos personagens de ASOIAF, entre eles Melissandre e Aeron Cabelo Molhado: o dogma. “O Dogma é inimigo da humildade epistêmica. Ele sabe porque sabe.” (p.164).
O inimigo do dogma é o ceticismo que, em sua versão moderada, leva a pessoa a duvidar de algumas coisas. Esse tipo de ceticismo leva Harma cabeça de cão e o Camisa de chocalhos a duvidar de Jon Snow, mesmo ele tendo matado o meia-mão e se deitado com Ygritte, os selvagens duvidam que ele tenha realmente deixado de ser um patrulheiro. Mas nem sempre o ceticismo nos leva a bons caminhos, Jon duvida que ele viu os selvagens pelos olhos de Fantasma, ele estava cético enquanto a essa verdade o que o afasta da crença verdadeira. “o ceticismo sobre conclusões específicas nem sempre ajuda a evitar falsas crenças ou nos afasta da arrogância epistêmica.” (p.165)
O Berrante do Inverno
A arrogância epistemológica faz com que Mormont acredite que Mance Rayder aje como um rei nos sete reinos, por isso sua ordem de combate é para agir como no sul da muralha. Se o Lorde Comandante tivesse se dado o benefício da dúvida poderia pensar que os selvagens não fazem como o grupo dele e “poderia ter poupado a espera no Punho dos Primeiros Homens” (p. 158).
Para aqueles que estão ao sul da muralha está claro que Mance e os selvagens querem derrubar a muralha, eles “sabiam” disso. Jon acha que se os selvagens tivessem o berrante que supostamente derruba a muralha iriam soprar, quando Jon entra em contato com os selvagens ele vê o tal do berrante. Será que o item tem realmente esse poder? Talvez tivesse, mas eles querem na verdade é passar da muralha e salvar seu povo da morte.
Se o povo dos Sete Reinos tivesse sido humilde o bastante para pensar nessa possibilidade, poderia ter conseguido trabalhar com os selvagens e conversar sobre o inimigo em comum: os Outros. Pois, afinal, o inverno está chegando.
(p.165)
submitted by darkssister to Valiria [link] [comments]


2020.11.02 05:04 meioautista Ajude a descabaçar uma pessoa com traços de Asperger

TLDR: Eu tenho dificuldade em me relacionar com as pessoas e queria saber como consigo transar com alguém, no início do ano eu fiz um perfil mais comum no tinder e consegui perder o bv, parece ser bastante para alguém que tava zerado mas ainda me sinto bastante longe do objetivo, agora que a quarentena tá mais frouxa tentei criar um outro perfil mais honesto e direto no tinder do tipo "sou meio autista e só queria perder o cabaço" sem fotos do rosto, mas só recebo likes de homens com perfil de mulher ou de gente muito longe, será que consigo algo como no primeiro perfil se colocar fotos normais do rosto com essa bio mais direta ou vou estar me expondo muito?
Oi, venho aqui hoje pedir uma ajuda para essa comunidade com uma coisa que me incomoda de vez em quando, por conta de uma série de motivos nunca consegui transar com ninguém, sou homem e já tenho 23 anos.
A primeira dificuldade com certeza é minha personalidade peculiar, me sinto muito bem sozinho e relações com outras pessoas para mim sempre foram jeitos de não parecer tão alien e ter uma convivência facilitada nos meios sociais, me dou bem com as pessoas e por isso consigo alguns atalhos na vida tipo ser indicado para um estágio, ou ser uma pessoa que os outros gostem de ter por perto para conversar, mas isso para mim sempre foi trabalho de muito esforço de tentar ser normal, eu não necessariamente gosto de agir assim, na verdade sempre chego em casa muito cansado por conta disso. Já a segunda dificuldade é algo mais concreto, vivo com minha família numa casa bem pequena e por isso nunca tive a liberdade de poder transar com alguém aqui, não que eu conseguisse isso mas acho que vocês entenderam.
Eu não vejo muito sentido em mentir, e em toda roda de conversa que eventualmente vai para o sexo acabo dizendo sem problemas que nunca transei (isso quando questionado, já tenho o molejo social de não sair dizendo toda a verdade o tempo todo). E por algum motivo sempre me incomodou o jeito que as pessoas lidam com isso, "Como pode um homem sem ligação com religião de quase 25 anos nunca ter feito algo tão básico?" de todas as peculiaridade que eu tenho parece que essa é uma das que quase sempre me fazem sobressair em relação aos outros e parecer um alien.
Quando eu tenho um objetivo normalmente invisto bastante tempo nele a fim de ficar bom, então coloquei essa ideia na minha cabeça "quero transar antes de me formar", isso foi no início desse ano quando baixei o Tinder e comecei a melhorar o meu papo, consegui uns encontros antes da pandemia mas tive uns problemas tipo: 1) Dificuldade enorme em entender sinais 2) Bloqueio físico de agir de acordo com sinais e não sobre o que está sendo dito 3) Não morar sozinho.
Primeiro fiz um perfil mais normal só sugerindo ir na praia ou algo assim e foi com esse que eu consegui os encontros, para minha surpresa o primeiro foi com uma menina um pouco parecida comigo, ela era introvertida e parecia bem tranquila, tivemos uma tarde massa na praia e fui para casa, conversei com ela umas vezes depois online e ficou nisso. Eu me senti completamente esquisito e travado fisicamente de ter qualquer iniciativa como dizem, eu não entendo o conceito da pessoa querer ficar com outra sem explicitar isso, como na bio dela tava que ela queria amizades eu fui nesse intuito mesmo, para tornar algo mais normal eu sair com mulheres, depois uns amigos ficaram me falando que tem uma série de códigos mas eu desisti de entender isso, a coisa que eu mais odeio é ser desconfortável pros outros, e parece que faz parte de ter iniciativa talvez lidar com isso.
O segundo foi uma série de encontros na verdade porque a mulher parece que gostou de mim, ela não era da minha cidade e tava aqui apenas por uma semana com uns familiares. Eu basicamente repeti o primeiro encontro e cheguei em casa meio desanimado por que eu não parecia estar evoluindo nessa trava. Mas ela me chamou para sair outras 3 vezes, e na última ela finalmente perguntou se tinha algo de errado comigo porque ela não cansava de me dar "sinais" e eu não fazia nada, expliquei para ela um pouco e ela decidiu me pegar por conta própria, foi com ela que eu perdi o BV, a menina ficou me pegando por uma hora em público e eu meio desconfortável apesar dela beijar bem. Não rolou nada mais que isso porque já era o último dia dela e não tínhamos privacidade, e foi ai que eu fiquei meio bravo com a minha falta de prática, eu fiquei tremendo como um galho quando ela começou a avançar para as minha partes baixas quando a pegação ficou mais caliente, sinal de que preciso sim de alguma prática nisso.
Enfim, aí veio a pandemia, segui usando o Tinder para melhorar meu papo mas sem encontrar ninguém (tiveram umas duas doidas que queriam encontrar mesmo na quarentena) e agora com a quarentena mais frouxa me sinto sem prática e criei um perfil novo um pouco mais direto, sem fotos do rosto e com algo do tipo "sou meio autista e só queria perder o cabaço", mas só recebe like de homens em perfil de mulher ou de gente de longe, pensei em fazer um perfil com fotos normais e essa descrição mas não sei se estou me expondo demais.
submitted by meioautista to desabafos [link] [comments]


2020.10.28 19:28 SatokoHoujou "Descobri que sou trans, e agora?" Update do meu post de 6 meses atrás

TW: transfobia. TL;DR abaixo.
6 meses atrás (ou quase) fiz um post aqui relatando ter me descoberto trans, compartilhando minhas angústias, meus medos e pedindo por sugestões. Continuo usando pronomes masculinos porque sim. Depois de meses bem turbulentos, finalmente tomei a coragem para dar os primeiros passos, mas infelizmente minha situação ainda está longe de ser boa, e por isso venho novamente compartilhar minha experiência e pedir ajuda.
Primeiro, vamos começar por uma citação do meu post original:
"eu acredito que com tempo ele [meu pai] aceitaria. Minha mãe eu sei que aceitaria, se não fosse pela questão da insegurança e dificuldade de arrumar emprego. Por isso, tenho certeza que ela iria me desencorajar e dizer que é só uma fase. "
Meu. Deus. Do. Céu. Que cagada eu aprontei!!! Subestimei a transfobia (ou simplesmente o medo pela mudança) e piorei absurdamente minha situação. A pior parte dessa experiência de transexualidade para mim foi descobrir que as pessoas não gostam de seus amigos/familiares, eles gostam da imagem que eles próprios tem da pessoa em questão, e essa imagem deve ser sempre estática e imutável. Qualquer tentativa de mudança é mexer com os próprios valores e crenças, portanto dificilmente há uma abertura para o diálogo ou para tentar entender o diferente.
Pois bem, no começo de maio eu criei coragem e contei para minha mãe. Tinha certeza absoluta de que ela no máximo reagiria neutra, ao estilo de "não gostei, mas faça o que te fizer feliz". E em um primeiro momento foi exatamente essa a reação dela (disse que eu podia fazer o que me fizesse feliz), óbvio que senti um alívio extremo, mas como diz o ditado, alegria de pobre dura pouco. No outro dia, eu acho que ela fez algum tipo de pesquisa sobre isso, e como não deve ser de espantar, só apareceram notícias de "travestis mortas e desaparecidas", ou sobre preconceito enfrentado.
Neste paragrafo eu quero enfatizar o quanto eu tentei argumentar com ela de que este final trágico não vai ser o meu fim. Eu tentei explicar de maneira didática, expliquei a diferença sobre transição médica e social, e que a princípio eu não pensava em fazer a social, e que enquanto eu não fizer mudanças drásticas, as pessoas ainda me enxergaram como um homem qualquer. De nada adiantou, e houve algumas semanas torturantes em que quase todo dia ela encontrava uma notícia de "trans é morta" e vinha me mostrar, e ficava gritando comigo: "é isso que você quer pra você? morrer pra nada? é só isso que acontece com essa gente, se prostitui e morre como se fosse um lixo". Porra, ouvir isso machucou demais. Nem só por mim, mas pela falta de empatia mesmo. Como se isso já não bastasse, tive que ouvir algumas boas vezes que "vou me tornar um monstro", e ela usou a palavra "estranho" e "esquisito" para descrever pessoas trans tantas vezes que eu peguei um trauma com essas palavras aí. O problema dela não é só com trans não, tudo que foge de qualquer normatividade pra ela é "ridículo, digno de risada". Tipo uma mulher na casa dos seus 40 com piercing e roupa curta que ela ficou debochando. Eu retruquei dizendo, "se ela paga suas contas e não faz mal a ninguém, que mal tem se vestir como quer?" E ela simplesmente respondeu que "existem regras sociais a serem seguidas, e que tudo bem ela bancar papel de palhaça, desde que ela tenha ciência disso". Que pensamento é esse, galera? Para tudo porque eu quero descer. Quero é distância de gente assim. Não tem como viver uma vida em função de outras pessoas não rirem de nós. Que vida é essa?
Até aqui foram só reclamações e relatos, certo? E o que isso tem a ver comigo? Porque isso me afetou tanto? Bem, eu tenho predisposição a ter muitos problemas de pele, os quais dermatologistas já me disseram que "ativam" devido a estresse. Além disso, também sofro de gastrite nervosa, que só aparece com estresse. E foi esse o resultado de ter contado para ela até o momento, me fodi lindamente induzindo dois problemas de saúde os quais está impossível me tratar. Ainda tive a sorte de ter tido uma reação alérgica a um creme depilatório em maio, já gastei mais de 500 reais com consulta e antibiótico e longe de conseguir sarar. Ou seja, em vez de ter dado um passo para frente, eu sinto que dei dez para trás. Isso tudo sem nem ter contado ao meu pai, só imaginem quantos passos para trás vai ser quando contar? Ou quando minha mãe contar, porque ela já fez essa ameaça várias vezes. Não é "justo" eu iniciar TH sem ao menos falar algo para ele. Outra coisa que diria que piorou uns 99% meu emocional foi ter que ouvi-la falar várias vezes que pretende cortar contato comigo, que "não quer me ver parecendo uma mulher". Isso acabou comigo por alguns dias, talvez seja até o melhor a se fazer mesmo, mas eu realmente estava sem preparo para escutar isso.
Considerando isso tudo, o pouco de notícia boa que pude acumular nesses meses é que finalmente comecei depilação a laser no rosto, fiz 2 sessões até o momento e os resultados estão aparecendo bem rápido. Interessante notar que quanto a isso minha mãe não tem nenhum problema, até disse que me ajudaria a pagar caso eu não consiga pagar (vida de estágio). Quanto ao meu pai, disse para eu "pensar bem porque barba está na moda". Acho que não tem nada que dê pra fazer sutilmente para dar umas dicas mesmo não, as pessoas simplesmente não consideram essa possibilidade. Acho que só funcionaria se eu aparecer de saia e batom.
A outra boa notícia é que hoje mesmo eu fui em uma consulta no SUS. Essencialmente foi para resolver esses dois problemas (da infecção e da gastrite), mas decidi pedir um encaminhamento para o ambulatório trans aqui da cidade. Relatei sobre a gastrite por causa do estresse, falei da infecção por causa do creme depilatório, e conclui minha fala mais ou menos assim: "essas duas coisas têm relação com uma terceira coisa que eu gostaria de comentar... que é que eu quero um encaminhamento para o ambulatório trans". Wow! Olhem para mim! Ontem mesmo estava com pavor da ideia, e lá estava eu me abrindo com quem estava me atendendo, que eram três estudantes de medicina e a médica, professora deles. O atendimento em si foi excelente, eles foram todos muito profissionais e simpáticos. Nunca tinha feito uma consulta pelo SUS e em breve farei um exame de sangue e terei um retorno. Quanto ao meu pedido, eles fizeram o encaminhamento, é agora é só esperar.
Claro que minha situação não melhora apenas esperando até ter uma consulta no ambulatório... porque agora vem a dúvida cruel. O que fazer? Começar escondido ou esperar sabe-se lá quanto tempo até poder sair de casa? Digamos que agora eu já devo estar sob suspeita com minha mãe, então dei um tiro no próprio pé. Fica aqui meu pedido a quem estiver no armário: pensa, repensa, e repensa de novo umas mil vezes antes de contar para alguém, principalmente, claro, aos pais. Sério, não fazemos ideia mesmo do preconceito que as pessoas tem com trans. O problema mesmo é uma coisa que disse no meu outro post: "o filho do vizinho ser gay tudo bem, o meu não." Agora multipliquem a potência dessa fala por dez e temos a não aceitação da transexualidade.
Bem, e cá estamos, fui receitado um antidepressivo para ajudar com ansiedade e também com a própria gastrite, visto que a causa é estresse. Então pelo menos estou feliz a respeito do antidepressivo, é algo que sinto que precisava há bastante tempo. E a dúvida cruel persiste: o que fazer? Começar às escondidas ou não? Contar para meu pai ou não? Estou completamente sem rumo, sem saber o que fazer, só desejo poder sair de casa o mais rápido possível, mas esse dia parece ainda ridiculamente longe... e pensar em ficar esse tempo todo sem TH é angustiante.
Tens aí minha jornada de 6 meses de dez passos para trás e um para frente.
TL;DR: contei pra minha mãe que sou trans, rolou uma treta maligna em casa e agora estou com vários problemas de saúde por causa de estresse. Pedi encaminhamento para um ambulatório trans, e agora estou na dúvida eterna se começo TH ou não às escondidas.
submitted by SatokoHoujou to transbr [link] [comments]


2020.10.28 02:34 guiacre Não tenho idéia do futuro.

Eu atualmente to terminando meu ensino médio (to no 2º ano e vou pro 3º ano que vem) depois de repetir meu 1º ano, todos meus amigos se formam esse ano e tem uma idéia muito boa do que querem fazer e o caminho que vão traçar para alcançar os seus objetivos mas eu to completamente perdido. Eu tenho uma idéia, porém é que eu tenho muitas e eu me vejo como uma pessoa muito imatura, como eu posso descobrir o que eu quero pro resto da minha vida no ano que vem? Eu simplesmente não sei o que fazer, e eu não sei se mesmo que eu soubesse, eu teria inteligência pra isso, minhas notas são muito na média, nada demais, nada de menos, como uma pessoa assim é empregada no mercado de trabalho tão disputado? Não tenho nem idéia de como me tornar algo além de "mais um". Penso em diversos cursos como Direito e Economia mas será que eu consigo passar neles e me formar nisso? Além de tudo será que é isso que eu realmente quero? O que eu faço? Alguém passou por algo semelhante?
submitted by guiacre to desabafos [link] [comments]


2020.10.23 23:38 Sumate_ Eu sou decepcionante

Olá eu me chamo Sumate, tenho 17 anos e sou um estudante do 2° ano. Eu tenho 1,80 de altura, sou feio e peso 72 Kg, que é relativamente normal mesmo que eu não me alimente bem e nem pratique exercícios físicos, coisa que deveria fazer pois sinto que os músculos das minhas costas não estão aguentando manter minha postura. A única coisa que fico bastante incomodado no meu corpo é o meu bucho, que é muito elevado e giarda muita gordura.
De um modo geral sou uma pessoa bem desinteressante. Não tenho amigos e quase sempre estou sozinho em casa. Não consigo me comunicar normalmente com os outros e tenho um problema com timidez. Muitos me consideram inteligente, pois tiro notas altas; mas nunca achei, pois mesmo tirando notas altas eu nunca tive que me esforçar para isso, tudo o que eu sempre fiz foi prestar atenção na aula e simplesmente entender o conteúdo. Não tenho nenhum talento e nem sou bom em nada. Não tenho muitos interesses, no máximo gosto de assistir anime. Eu odeio ter que trabalhar em grupo na escola, eu sinto que os professores fazem isso simplesmente para me ver sofrer. Eu sei que sou desinteressante pois ninguém nunca quis ser meu amigo, apesar de eu nunca ter permitido alguém ser, pois sinto que não posso conviver com alguém que não me entende.
Não tenho ambições nem sonhos na vida. Tudo o que eu queria era ter um salário de classe média e assim viver uma vida comum e sem graça, que é o que alguém como eu merece.
Eu também não tenho muitos medos, talvez o unico seja de me tornar meu pai no futuro. Um velho viciado em pornografia que só sabe ficar reclamando de tudo e de todos, que prefere gastar dinheiro com bebida do que comprar comida para os seus filhos, uma pessoa totalmente ingrata e desagradável que tem coragem de humilhar minha mãe, que é a pessoa que mais ajuda ele, ficar chamando ela de empregada doméstica; isto eu nunca vou perdoar.
Quando estava no 8° ano lembro que as pessoas custumavam me zoar bastante, talvez possa ser considerado bullying. E teve um dia que minha irmã chegou e falou de uma brincadeira que o colega dela tava fazendo que era falando que eu era um retardado mental, e ela estava achando engraçado, tipo, ela era criança então acho que ela realmente não entendia. Quando eu ouvi isso dela eu comecei a chorar bastante, acho que era algo que eu já estava guardando dentro de mim por um longo tempo naquele ano. E sinto que comecei a me tornar uma pessoa horrível depois deste ano.
Ano passado tinha uma psicóloga atendendo na escola, eu pensei em ir lá, pois sinto que tenho alguns problemas; mas fiquei com vergonha e medo de que ela contasse para os meus pais, que é o que eu menos desejo nesse mundo.
Olhando a maneira como sou como pessoa, não posso ser considerado alguém bom. Eu me considero um baita de um perdedor e sinto que irei fracassar em tudo que tentar fazer, além de que não sou bondoso e nem me importo com a vida dos outros.
De um modo geral, eu realmente me odeio e penso seriamente em tirar a minha vida. Eu estou pensando em pelo menos esperar o fim do ano que vem, para ver se algo muda; mas no fundo eu sei que não vai. Eu acho que minha mãe vai sentir um pouco da minha falta e também vai se decepcionar um pouco, pois ela sempre teve bastante orgulho de mim por algum motivo que não entendo. Meus outros parentes não vão se importar muito, pois moram longe e nunca fui amigo ou próximo de algum deles.
submitted by Sumate_ to desabafos [link] [comments]


2020.10.23 05:40 LoveUm Sou bissexual e estou apaixonado pela minha melhor amiga.

Nós nos conhecemos desde o ensino médio, a uns 5 anos atrás, eu sempre contei tudo sobre mim pra ela, traumas, gostos, vontades e tudo que geralmente melhores amigos fazem. Eu gosto demais dela e nós somos amigos até hoje, mas eventos recentes me fizeram perceber que eu (ainda) estou apaixonado pela minha melhor amiga.
Tudo começou quando ela estava tendo um problema com um relacionamento, onde um "amigo" havia dito pra ela que estava apaixonado, e pela segunda vez foi rejeitado. Porém não é tão simples assim, ambos começaram a se distanciar e minha amiga tem problemas de ansiedade e isso estava afetando-a demais, ela gostava muito da amizade desse "amigo" mas sentia que as coisas não vão mudar por que ela não sente o mesmo por ele, e o meu papel nessa história, era aconselha-la da melhor maneira possível pra ela resolver esse conflito, tentando ao máximo não me meter no meio da situação.
Mas eu sentia algo por ela que eu sabia o que era, eu estava gostando dela e me confessei inclusive, ficando surpreso pela resposta dela dizendo que já sabia, mesmo assim eu fui rejeitado também, mas diferentemente do outro "amigo" dela que insistiu, eu não fiz o mesmo por que não gostaria de perder a amizade dela como estava acontecendo com esse outro "amigo". Eu disse que estava tudo bem, que não precisaria se preocupar com isso e continuei agindo normalmente, como se nada tivesse acontecido. Nunca falei sobre mulheres com ela por que sabia que não era do interesse dela. Mesmo sendo bissexual perguntei se isso seria um problema caso nós supostamente namorassemos, ela disse que não era isso, mas que me via como um irmão e achava estranho, sinto que talvez tenha algum problema na verdade. (Fui parar na Brotherzone, pior ainda.)
Então eu não comentei mais nada e continuamos sendo bons amigos como sempre fomos, falando de homens que gostariamos de pegar, trocando fotos zuadas, falando as experiências de vida, indo ao cinema, saindo e enfim.
Resultado de uns 2 meses depois, ela comecou a namorar com o outro "amigo".
Até aí tudo bem, eu tinha ficado muito feliz pela minha amiga por que achava que ela finalmente tinha entendido o que sentia por ele, mas ao mesmo tempo eu me sentia triste e não sabia o porquê, achava que era pelos meus amigos estarem encontrando seus pares e no fundo eu tinha um leve medo de ficar sozinho.
Conclusão, instalei o Tinder por recomendação da mesma. (KKKK)
Entre "sins" e "nãos", eu acabei conhecendo um garoto que acabou me chamando a atenção. Começamos a namorar e contei pra minha amiga que estava gostando dele, ela estava super feliz com isso, mas como nem tudo são rosas, acabei me relacionando por 3 meses, eu gostava dele mas as coisas nesse relacionamento começaram a se tornar tóxicas pelos dois lados e então eu pulei do barco. E surpreendentemente, pasmem, minha amiga disse que terminou também.
Eu já não sabia o que eu estava sentindo, conversando ela me disse que gostava dele como um amigo, mas sabia que se voltasse a falar com ele não seria mais a mesma coisa por que sempre teria aquele ponto do "Nunca vai ser o suficiente." Então ela começou a namorar com ele pra tentar contornar isso, mas ela não sentia o mesmo de qualquer forma por ele e o "Nunca vai ser o suficiente" continuou ali então ela decidiu acabar com isso de uma vez, não está nem se importando com a amizade que perdeu e ficou muito bem com isso.
E aí meu medo acabou multiplicando, mesmo eu ainda não admitindo que ainda estava sentindo o que eu sentia pra mim mesmo.
Mas eu estava de boa com tudo isso até que um dia ela disse que estava afim de um colega meu. E nós começamos a fofocar, eu "encorajando" ela pra falar com ele e tudo mais, zuando sobre pinto e primeira vez, achando que ela não teria coragem pra chamar ele. Mas quando ela finalmente teve coragem, eu senti alguma coisa, preocupação talvez.
Os dois começaram a conversar de uma forma bem suja no contexto sexual da palavra, não que eu tivesse lido as conversas, mas pela minha melhor amiga me contar o que rolava entre as mensagens, eu ficava curioso pra saber, não por que o garoto era bonito ou algo do tipo. Mas pelo progresso dos dois, até que ela me contou sobre umas mensagens que eles trocaram entre si que me fizeram perceber o que eu tava sentindo.
Apesar de ser o melhor amigo "viado", eu amo ela, não só como amigo, eu estou realmente apaixonado apesar de fazer o possível pra não demonstrar isso por medo de perder a pessoa que eu amo por já ter sido rejeitado duas vezes e fingir que não ligo. Ao mesmo tempo que me dói pelo fato de saber que eu nunca vou ser o primeiro sendo que nem sei se ela vai aderir a esse possível relacionamento com o outro garoto, o que não deveria ser problema meu, já que eu "escolhi" não me importar.
Eu acreditava que depois de um tempo isso passaria, mas ainda está aqui. Apesar de eu tentar de tudo pra matar esses sentimentos e ao mesmo tempo conviver com a pessoa que o provoca. É possível que eu esteja sendo covarde não sendo sincero sobre o que eu sinto, mas se alguém já deixou claro que não tem interesse romântico em você, mesmo você demonstrando e dando sinais de que você está ali, talvez isso seja uma batalha perdida e eu não estou pronto pra perder mais do que já perdi.
submitted by LoveUm to desabafos [link] [comments]


2020.10.21 20:37 Sumate_ É muito maçante estar vivo

Eu não tenho vontade de viver. Tenho 17 anos e tenho realmennte uma vontade de me matar, pois não importa como eu me vejo no futuro, nunca me vejo feliz ou normal. Eu não gosto de quem eu sou e basicamente ninguém também, com exceção da minha mãe e talvez da minha irmã.
Por algum motivo que não sei, eu acabei formando uma filosofia de vida que basicamente diz que estar vivo é sofrer, mesmo que tenha bons momentos não vai compensar, pois em algum momento o sofrimento chegará; e, na minha opinião, é melhor não sentir nada.
Minha vida é chata e monótona, não tenho amigos e nem sou próximo do restante da minha família, mesmo tendo uns 22 tios e tias e sei lá quantos primos. Para mim, viver é muito maçante.
A pandemia por incrível que pareça, pois amenizou um pouco da dor. Ir todos os dias para a escola e ficar vendo todos os outros em seus grupos de amigos enquanto eu sempre estava só era algo muito ruim para mim. E ficar em casa só é algo a qual já estou acostumado.
Dizem que quando se é desprezível os outros não reparam, e eu posso afirmar com toda a certeza que isto é verdade; eu sou quase uma sombra, pouquíssimos sabem quem sou ou se lembram, minhas opiniões não importam para ninguém, o que eu sinto não importa.
Uma vez eu fiquei muito interessado em um livro chamado japonês chamado "O manual completo do suicídio", infelizmente não consegui encontrá-lo em lugar nenhum. Continuei a pensar em qual seria melhor maneira de se suicidar, e cheguei a conclusão de que seria com um tiro na cabeça, mas aonde encontrar uma arma é um problema; então cheguei a conclusão de que o que mais combinaria comigo seria um enforcamento, o único problema é que eu teria que escolher alguma floresta com alguma árvore de altura adequada, já que aqui na minha casa não tem nenhum suporte para pendurar uma corda.
As vezes eu acho que eu não deveria ser tão pessimista quanto a vida, então tento melhorar. Tento cuidar da minha saúde, tento estudar, tento ser mais gentil e agradável com os outros, etc etc etc. Mas eu sempre volto ao mesmo lugar, lembro que sou desprezível e vejo que este esforço é inútil, isto não tem valor para ninguém nem mesmo para mim. Eu sei que ninguém nunca vai estar feliz por me ver me tornar alguém melhor, eu mesmo não consigo ficar feliz por mim mesmo. Eu sei que os outros não têm que estar feliz por mim, eu que tenho que estar; mas eu não consigo, pois não tenho valor na minha própria vida.
Estar vivo é muito chato. Tento tirar a felicidade dos pequenos prazeres diários: do meu episódio de anime, da minha bela partida de xadrez, do meus bons livros, da minha jogatina de clash, do novo conceito que aprendi em programação. Mas independente disso, sempre estou melancólico; é como se eu estivesse vivendo em um mundo sem cor, sem esperança.
Eu não sei se isto muda ou atrapalha em algo, mas nunca tive rede sociais. Como nunca tive muitos amigos ou conhecidos, nunca vi a necessidade de ter um. Sempre preferi ver vídeos ou jogar ou ler alguma coisa. Mas com o tempo, percebi que todos viviam quase que unicamente no mundo digital, no qual eu não estou. Não tenho vontade de criar, pois acho inútil. A única que tenho é o reddit, que uso exclusivamente para desabafar e não acabar morrendo ainda mais por dentro.
Enfim, eu precisava realmente desabafar.
submitted by Sumate_ to desabafos [link] [comments]


2020.10.21 18:18 freddyjoker O Lado Ruim das Vitórias: A Derrocada da Era Crefisa

Olá amigos torcedores,
O post será longo, por isso vou quebrar em tópicos, para que possa pular as partes que não lhe interessarem:
1.Você não é o cara que defendia a permanência do Luxa? Tá feliz agora?? Não, obviamente não estou feliz, meu time perdeu quatro jogos consecutivos, coisa que não acontecia há vários anos. Mas ainda acho que demitir o Luxemburgo foi um erro. Entendam por favor uma coisa muito importante, que é essencial que os torcedores coloquem na cabeça, para que quem sabe um dia os dirigentes coloquem também: TROCAR O TÉCNICO NÃO RESOLVE NADA. Mais a respeito disso no texto a seguir.
2. Recapitulando a Era Crefisa:
2.1-2015: Em 2015 começou o que será conhecido para sempre como Era Crefisa. Uma parceria entre o clube e a marca, motivada por paixão dos dois lados, com o objetivo de recuperar um clube de imenso potencial que se encontrava enterrado numa vala de incompetência de vários anos.
Várias contratações, vários chapéus e, logo de cara, um título da Copa do Brasil. Todos nós comemoramos, nos emocionamos, começamos a pensar que estaríamos diante de uma nova era Parmalat, de super times e muitas taças. Mas deixam a nostalgia de lado e pensem com pragmatismo: aquele time jogava bem? NÃO! Ganhou aos trancos e barrancos e enganou a torcida e a direção que Marcelo Oliveira fazia um bom trabalho. Por causa disso, ele foi mantido na temporada seguinte, até se tornar insuportável continuar assistindo o show de horrores, que todos já conheciam. Aí está o primeiro erro: Deveríamos ter aproveitado a nova força do elenco e o título que acalmou os críticos e nos colocou em evidência para bolar um plano a longo prazo, escolher um técnico com as características que queríamos e montar o time em função dessa ideia.
2.2-2016: No ano seguinte, mudança de técnico: veio Cuca. Cuca era uma boa ideia, é um bom técnico, tem uma boa visão de futebol. Teria sido uma boa opção pra começar a temporada, ajudar a planejar as contratações, treinar na pré-temporada, mas o técnico deu sorte. O título de 2016 foi possivelmente o melhor dessa era, jogando um futebol legal, com um time bom. Cuca, infelizmente quis sair e, fomos forçados a recomeçar nosso projeto, coisas da vida.
2.3-2017: O escolhido para prosseguir foi Eduardo Batista. A escolha pode ser debatida, mas foi o caminho traçado pela diretoria. Porém, após apenas cinco meses, mais um erro amador: fomos tentar convencer Cuca a retornar. Aposto que muitos palmeirenses gostaram da ideia, tomados por nostalgia e memórias boas. Mas demos o primeiro sinal de que não sabemos o que estamos fazendo, contratamos um profissional sem ter confiança em seu trabalho e o demitimos na primeira oportunidade por razões sentimentais. Que entidade séria faz algo assim??
Por vários fatores, Cuca não durou nem seis meses no cargo e, mais uma vez, um recado para o mundo: O Palmeiras não respeita técnicos e não faz ideia do que está fazendo. Aproveitem essa pausa para refletir: O que mudou com a mudança de técnico? Já tivemos quatro mudanças e um título, vocês acham mesmo que esse título foi a regra ou a exceção?
2.4-2018: Continuando: Roger Machado. O próximo nome, a próxima aposta. Técnico jovem, perfil diferenciado, projeto a longo prazo, novas ideias. A propaganda foi a mesma... a mesma enganação. Na metade do ano, já estava demitido. A essa altura, no ápice do desespero e do amadorismo, fomos atrás de Felipão. Jogamos pro alto as ideias novas e o projeto. A diretoria queria alguém que pudesse aguentar as críticas da torcida e protegê-los delas, o presidente além de incompetente foi covarde.
Felipão, assim como Cuca, conseguiu dar algum jeito num time claramente superior à concorrência, com um elenco muito mais rico que os demais. Com isso, tivemos o título de 2018.
2.5-2019: As costas largas e o futebol resultadista conseguiram manter o bigode no cargo por mais de um ano, algo inédito nessa Era. Mas quando o resultados pararam de vir, ficou escancarada que a ideia de jogo não era bonita. Algo que já sabíamos. Mas novamente, precisávamos dar o recado: Não respeitamos técnicos e não sabemos o que estamos fazendo. Dessa vez, sobrou inclusive para Alexandre Mattos. Todos pagavam o pato, menos quem era realmente responsável, diretoria AMADORA e presidente COVARDE.
2.6-2020: Para 2020, mais ilusões, mais promessas, mais propagandas: Vamos atrás de Sampaoli. Mas advinha só, o argentino estava atento e viu o que aconteceu nos últimos anos. Técnicos desrespeitados, diretoria covarde e emocional, o elenco que antes carregava o piano, agora não tinha mais nível pra isso. Não ia ter dinheiro pra contratar, não ia ter estabilidade. Quem de vocês aceitaria trabalhar assim?? Ao ouvir o ÓBVIO não, a última amostra de amadorismo e covardia: Luxemburgo. Assim como 2018, dane-se o projeto, dane-se a mentalidade, a renovação. Nós da diretoria só queremos alguém que possa tomar bronca no nosso lugar, alguém que se tudo der errado, possamos apontar o dedo, mandar embora e dizer "é uma nova folha, uma nova oportunidade, um novo projeto" pela quinta vez.
3.Conclusões: Ganhamos títulos, então não pode estar tudo tão ruim... ESTÁ! E OS TÍTULOS ENGANARAM A TODOS! Todos os clubes sobem e descem a escada da relevância e do favoritismo quase aleatoriamente, porque são todos INCOMPETENTES e nunca sabemos quem vai ser o próximo menos incompetente da vez. Sabem porquê? Porque são geridos por torcedores! Alguém que usará sua paixão para motivar suas escolhas, automaticamente não está qualificado para tal escolha. Vocês acham que Paulo Nobre foi bem porque era mais palmeirense que os outros? NÃO! Paulo Nobre foi bem porque soube separar onde e quando deveria ser torcedor.
Agora vamos assistir o Flamengo aprender a lição em apenas um ano que não aprendemos em cinco: é necessário um projeto, é necessário ter paciência, é necessário SER PROFISSIONAL. Ver clubes como Internacional e Galo passar a nossa frente com menos dinheiro e menos relevância nacional, simplesmente porque foram minimamente competente. Estamos atrás DO SANTOS na tabela, o Santos afundado em dívidas, proibido de contratar, contando migalha pra pagar salários. Não é possível que vocês achem que o que estamos fazendo está certo.
4.Comparações com o Liverpool: Como é de praxe nos meus posts, mais um paralelo com o Liverpool: Eu sou torcedor dos Reds e acompanhei quase trinta anos de jejum por incompetência administrativa. Sabe como isso acabou? Um empresário americano comprou o clube e contratou profissionais para tomarem as decisões. Klopp foi contratado para um projeto, seu primeiro contrato foi de três anos. Ele perdeu jogo pra cacete, vários vices, várias humilhações, várias piadas, várias derrotas em clássicos. Mas isso não abalou a diretoria, porque eles não são torcedores, eles são gestores e o fracasso é aceitável quando se traça um caminho vencedor. Invés de queimar dinheiro com contratações, eles sentavam com a COMISSÃO TÉCNICA PERMANENTE (que incluía analistas de desempenho e o próprio Klopp) e analisavam o mercado. A diferença entre o vice de 2018 e o título de 2019 na Champions League forem apenas duas contratações (precisavam de um goleiro e um zagueiro e fizeram as contratações mais caras da história para trazer as melhores opções disponíveis nessas posições. Poderiam ter usado esse dinheiro para trazer dois ou três goleiros decentes e dois ou três zagueiros decentes, mas eles queriam jogadores para ser campeão!). O Liverpool foi o time grande da Europa que menos gastou com contração nos últimos anos. Do vice do Inglês de 2019 pro título de 2020, não teve NENHUMA mudança no time titular. Simplesmente eles se mantiveram firmes e competentes, só que os outros times continuaram circulando na roda da incompetência.
5.Mensagem aos torcedores: Como torcedor, eu vejo esses fatos e entendo. Vemos coisas assim no futebol a vida toda em todos os clubes. Mas como empresário e gestor, eu vejo essas coisas e passo mal. Uma entidade séria, com objetivos sérios... demite funcionários por razões sentimentais; não tem competência de traçar um plano de ação, com opções e alternativas; não consegue digerir críticas sem demitir todos os envolvidos para agradar um bando de conselheiros, que também são torcedores sentimentais que não tem capacidade ou competência para opinar em nada disso. Luxemburgo tinha que ficar, porque a diretoria e o presidente tinham que morrer com essa escolha, tinham que entender que usar treinador de escudo para críticas até ele não aguentar mais, só pra arranjar outro, é destruir nosso clube, nosso time, nosso respeito perante ao mundo e o mercado.
Agora Angel Ramirez também nos deu o óbvio NÃO. Disse, que não largaria o projeto atual dele no meio para embarcar na nossa bagunça, talvez na próxima temporada, dependendo de como estiverem as coisas. Nossa diretoria não esperava isso: ALGUÉM SENDO PROFISSIONAL. Um homem que mantém sua palavra e quer terminar o que começou e não se deixar levar pela ambição e emoção para entrar num possível furada? QUE ABSURDO!
6.Projeções para o futuro: Eu tinha medo da Leila como presidente, porque ela parecia "torcedora demais" e parecia não manjar nada de futebol. Mas honestamente, acho que com o poder de barganha dela (sem ela e sua empresa, não temos dinheiro pra nada) ela pode ser justamente o que precisamos: alguém pragmático, de costas largas, que não vai precisar contratar escudos; alguém que vai admitir que não entende suficiente de futebol para tomar decisões sobre o assunto e VAI CONTRATAR DIRETORES E ADMINISTRADORES PROFISSIONAIS. Que não vão agir com ação, emoção, sentimentalismo e nostalgia e perpetuar nossa participação nessa montanha russa de incompetência que é o futebol brasileiro.
NÃO IMPORTA os resultados, o desempenho em campo, nada disso é razão para demitir um técnico no meio da temporada. Existem vários outros fatores influenciando essas coisas além de UMA PESSOA. Quando os jogadores preguiçosos vão pagar o pato? Quando o presidente vai olhar em volta e falar 'melhor eu sair' ou no mínimo 'melhor eu pagar alguém que saiba o que está fazendo'? Esse elenco foi esculachado ano passado inteiro, mas esse ano a culpa é do Luxa. Essa diretoria foi esculachada por vários anos, mas agora a culpa é do Luxa. E o resultado disso? Os técnicos que poderiam dar jeito nisso não querem vir mais. Nós conseguimos solidificar a imagem de MOEDOR DE TÉCNICO.
7.FIM:Eu tenho pena do Luxemburgo, que entrou nessa barca furada porque estava desesperado para provar que ainda tinha o jeito, que ainda podia ser um dos melhores. Um homem que nos deu tanto, um ídolo do clube, disposto a ser usado de escudo para uma diretoria ridícula, sabendo que seria o primeiro a cair, mesmo não tendo nem metade da culpa pelas derrotas.
Argumentem o quanto quiserem de formação, escalação, jogadas ensaiadas, mas parem de se enganar achando que mudando só o técnico, essas coisas vão se acertar.

tldr: A diretoria troca de técnico para mascarar sua incompetência e nós estamos caindo nessa manobra porque eles deram sorte de levantar um ou outro caneco no caminho. Chega de ser complacente com amadorismo e covardia por parte dos gestores, chega de achar que o técnico é culpado de tudo. Chega de #ForaLuxa, cadê o #ForaGalliote??

submitted by freddyjoker to palmeiras [link] [comments]


2020.10.21 05:06 retr0rino Sobre a angústia de se tornar alguém diferente e o medo de esquecer quem você é.

Me asseguraram de que os efeitos adversos dos remédios não seriam tão profundos, tampouco alterariam drasticamente quem eu sou - ou quem eu sou com este transtorno desgraçado. Conceito aterrorizante, esse: você toma um remédio que reequilibra sua química cerebral, mas, para isso, você abre mão da única versão de você que... bom, que você conhece - que você reconhece por "você".
A troca do "eu" pelo "eu melhonormal" prometia estabilidade, estrutura, constância, concentração e todos os atributos de uma pessoa dita 'normal'. Que sejam os remédios, então.
Foram 3 anos tomando medicação e tentando conciliar terapia com uma vida mais regrada, além de maior atenção com o meu corpo. Uma tentativa de suicídio. Altos, baixos, médios (?) absolutamente apáticos... um inferno. Coisas boas também aconteceram (afinal, os remédios fizeram efeito), mas o período foi realmente turbulento.
No entanto, o que eu mais temia aconteceu depois que eu parei com a medicação: o esquecimento, que era um dos efeitos adversos previstos pela troca. Não só esquecia das coisas com muito mais facilidade, tampouco conseguia reter informações novas com a mesma agilidade, mas eu passei a esquecer da minha história - história, mesmo: passado, casos, causos, pessoas, aventuras... mesmo apertando os olhos, meu córtex se recusava a me ajudar. O pior de tudo? Eu parei (pelas consequências do transtorno, imagino) de registrar coisas novas através de fotos, notas, lembretes... é como se eu realmente tivesse ido dormir em um ano e acordado em outro.
Eu fiquei com raiva de mim, sabe? Fiquei com raiva de querer mudar, mesmo que a mudança implicasse em viver bem. Em viver melhor. Em ser melhor. Eu fiquei com raiva pois apostei tudo na troca... e eu ainda vivo com raiva, pois sei que eu preciso desses remédios para continuar funcionando. Pois a troca é real. Mas, enquanto eu não decido se eu volto a tomar os remédios (com acompanhamento médico, terapia - o pacote completo), o transtorno faz com que eu me destrua por outras frentes. E, naturalmente, tudo parece tão difícil, seja por um caminho ou pelo outro.
Eu realmente quero me ajudar mas eu não sei o que fazer. Eu não sei o que é melhor.
Vim aqui, nesse desabafo extremamente confuso (e peço desculpas por isso, além de agradecer quem leu), por pra fora esse sentimento que tanto tira o meu sono; tanto me amedronta; tanto me deixa impotente; tanto me paralisa, que é a angústia de se tornar alguém diferente (já que não arrisco chamar de "alguém melhor") tendo que pagar o preço altíssimo de me esquecer (ou matar!) quem eu sou... quem eu era.
Às vezes eu só queria poder me dar um abraço pois eu honestamente sinto que as pessoas ao meu redor não conseguem entender algo que é tão determinante pra mim: quem eu sou, ou quem eu preciso me tornar. Não é só ir ao psiquiatra amigo da esquina e tomar uma ou duas pílulas. Não é só terapia, não é só setembro amarelo. É a minha vida, ou a falta dela.
"In the stillness of remembering of what you had and what you lost".
submitted by retr0rino to desabafos [link] [comments]


2020.10.16 22:23 Creative_Oven_6350 Estou na minha segunda formação e há quase três anos procurando emprego. Não consigo nada. A frustração está acabando comigo há muito tempo.

Bem, antes de começar, essa conta é uma throwaway, já que pessoas próximas podem ver o post.
A questão é a seguinte: logo que saí do Ensino Médio, consegui entrar em uma universidade federal. Na época eu tinha algumas ideias do que queria fazer para a vida e decidi arriscar na que me parecia mais legal. Não me entendam mal, não é que eu me arrependa de minha escolha, honestamente se não fosse por ela eu não acho que seria a pessoa que sou hoje e não conheceria minha namorada (com quem tenho um relacionamento há 5 anos).
Para ser mais específico, eu entrei em Licenciatura e Bacharelado em História, na UFPR. Eu realmente gostei do curso. História sempre foi uma área que me fascinou e durante a formação pendi cada vez mais para a pesquisa. No entanto, claro que na metade da graduação percebi a falta de perspectivas de pesquisas nessa área no Brasil e comecei a pensar em alternativas de onde trabalhar.
Sempre gostei de dar aula, apesar de nunca querer ser professor do Estado. Então entrar em PSS não era uma opção. Antes da minha primeira graduação, durante e até um tempo depois, sempre trabalhei informalmente em negócios da família. Fui assistente administrativo no escritório de contabilidade dos meus pais. Ajudei na pequena gráfica digital que meu tio tinha, tanto no balcão quanto no setor de compras. Esses trabalhos me ensinaram muitas coisas e me deram muitas habilidades diferentes. Sempre sou elogiado por ser comunicativo, tenho habilidades avançadas no pacote Office completo, aprendi a mexer em estoque, arquivo, realizar trabalhos braçais etc.
Só que em certo momento percebi que precisava de um trabalho formal. Algo que estivesse registrado em minha carteira de trabalho. Aqui entra outra coisa que gosto muito: idiomas. Desde cedo sempre estudei outras línguas por conta própria. Sempre foi um hobbie meu. Me tornei fluente em inglês, consigo conversar em francês e japonês e tenho certo conhecimentos de espanhol e LIBRAS. Aproveitando essas minhas habilidades, consegui me tornar professor de inglês.
Mas a ideia de virar professor de inglês nunca me foi permanente. A falta de perspectiva de uma carreira nunca fez com que eu quisesse ser professor. Pesquisador sempre tive vontade. Por outro lado, vejo amigos meus com 30, 35 anos fazendo doutorado, pesquisas maravilhosas, mas precisando arrumar outros empregos para se manter e ganhar mais ou menos mil reais por mês. Não é uma vida que quero ter.
Estou com 23 anos no momento. Quando estava com 20, decidi que iria para outra área que sempre tive muito interesse: a parte comercial. Sempre fui bem com números. Não só enquanto trabalhava no escritório de contabilidade de meu pai, mas também participei e "ganhei" algumas Olímpiadas de Matemática enquanto estava na escola. A área administrativa também era interessante. Então pensei bastante e cheguei a conclusão que se conseguisse algo na área de Relações Internacionais ou Comércio Exterior, teria a carreira que sempre quis.
Isso se deu por volta do início de 2018. Achar estágio na área de História (em museus e coisas do tipo) nunca deu certo, tanto pela falta de vagas quanto pela carga horária diária do meu curso que nunca batia com o que eu achava. Consequentemente, fui procurar estágios e empregos em Relações Internacionais e Comércio Exterior. Assim se deu o meu ano de 2018. Obviamente, sem nenhum resultado.
Eu mandava todo mês meu currículo para inúmeras vagas. Nunca recebi uma única resposta. Tudo bem. Bola pra frente. 2019 chegou e eu me formei na metade do ano. Mais 6 meses sem nenhuma resposta. Nesta época, eu já enviava o currículo semanalmente. Queria alguma oportunidade em RI ou Comex. Eu achei que História era um curso similar o suficiente. Pelo jeito, as empresas não concordavam.
Depois de minha formatura, há quase um ano e meio procurando, decidi investir em concursos públicos. Talvez eu conseguisse uma área no setor comercial ou administrativo do Estado. Não seria um problema se eu pudesse migrar posteriormente. Prestei vários concursos que fiquei três ou quatro vagas abaixo da linha de corte. A frustração era grande, mas eu continuava.
Enquanto isso, precisava me sustentar. Portanto, permaneci dando aulas de inglês. Não posso negar, sou bom nisso. Não muito bom, mas o suficiente para receber elogios esporádicos tanto de alunos quanto colegas. Quem sabe se em algum momento eu me dedicasse à área pedagógica, pudesse crescer e construir uma carreira ali.
Porém, eu sabia que investir na área pedagógica me afastaria completamente de RI e Comex. Então nunca fiz isso ou fui para esse lado. Em certo momento de 2019, passei no edital do IBGE para o Censo 2020. Meu nome foi homologado no Diário Oficial da União. Eu estava dentro. Tinha conseguido algo diferente, além de dar aula. A frustração parecia ter acabado. Só precisava esperar março de 2020 para ser chamado. Minha namorada chorou de felicidade por mim. Eu também estava transbordando por dentro.
Aí aconteceu que... a pandemia. Todos sabem. A verba do Censo 2020 foi cortada completamente nesse ano e transferida para o segundo semestre de 2021, isso se não for postergada mais uma vez. Depois, descobri que o concurso que tinha passado era PSS e mesmo eu estando dentro, não significava que seria chamado. Nisso já era metade do primeiro semestre de 2020 e eu também não havia parado de mandar currículo para RI e Comex. Se eu conseguisse um emprego nessa área, não ficaria no IBGE (pois o cargo era temporário de apenas um ano).
Extremamente frustrado, depois de muitas e muitas (e muitas) crises de raiva, tristeza e angústia, decidi investir em alguma coisa que fosse mudar tudo. Comecei uma segunda graduação. Moro em Curitiba e diante das possibilidades de cursos que poderia fazer nessa área, optei pela que me pareceu melhor: Comércio Exterior.
Minhas aulas começaram em julho desse ano. Desde o mês sete, tenho uma única rotina: todo dia da semana eu acordo, vasculho a internet, sites especializados, grupos de WhatsApp e Telegram, em busca de empregos para a área comercial, administrativa, financeira ou até logística. Existem muitas coisas em cada um desses setores com as quais eu adoraria trabalhar. Todo dia, literalmente todo dia mesmo, eu me inscrevo em média de uma até três vagas - tipo, todo dia.
Desde julho, sou rejeitado em umas 30/40 vagas mensalmente. Entrar em uma segunda graduação de Comércio Exterior realmente ajudou: agora sou chamado para entrevistas e provas. No entanto, sempre que me perguntam se eu faço alguma coisa, se ainda trabalho, digo que tenho o trabalho temporário de instrutor de línguas. Algo que quero largar assim que conseguir outro trabalho na área que quero, ou seja, na área para a qual estou me inscrevendo.
Só que é sempre nessa parte, é sempre nesse momento que vejo claramente que sou colocado de lado. Ninguém quer contratar alguém que precisou trabalhar como professor. Algo pedagógico, muito diferente do mundo comercial. Sempre elogiam minha curiosidade por línguas, acham legal meu contato com setores administrativos e financeiros no passado, mas por terem sido trabalhos informais, ninguém se importa. Sim, estou frustrado.
Dia após dia recebo e-mails falando que não foi dessa vez. Isso quando os recebo. A maior parte das inscrições por e-mail não são respondidas. As que realizo por sites diversos, estão marcadas 90% como "Rejeitado por falta de experiência". Todos estágios. É sério. Tenho mais de 40 vagas de estágio rejeitadas por "falta de experiência". Repito novamente porque estou frustrado: estágios.
Eu não consigo um único estágio. Em nenhuma área. Todo dia sou recusado. Não importa se é RI. Setor de compras. Setor administrativo. Setor financeiro. Setor de logística. Só preciso desse primeiro emprego na área. Aposto que os demais vão vir muito mais facilmente (porque mais difícil não tem como existir).
E receber constantemente, apesar do esforço diário de mandar currículos, atualizar informações em sites (sim, tenho perfil em LinkedIn e mais outros diversos sites de emprego), apenas me lembra do meu fracasso. Não tenho perspectivas nenhuma de que vou conseguir. Nenhuma perspectiva que vou mostrar para alguém quão esforçado posso ser. Quão dedicado. Eu só preciso de uma chance para a primeira oportunidade.
Estou nessa há 3 anos. Acumulo quase 100 rejeições totais desde que comecei minha segunda graduação. Cada vez me empenho mais para tentar. Cada vez tenho menos vontade e fico pior. Menos motivado. Antes que alguém fale alguma coisa (se alguém aguentou ler esse textão de desabafo até aqui), estou sempre verificando meu currículo: como apresentar informações, tirando, colocando coisas. Já contratei profissionais de currículos que analisaram e mudaram algumas coisas. Já apresentei pra muitos profissionais colegas e da família que deram algumas sugestões e elogiaram outras coisas. É algo que estou sempre tentando melhorar, mais e mais.
Pra encerrar, existe um fator nisso tudo que aumenta ainda mais a frustração comigo mesmo, a frustração com todo esse cenário. Minha namorada trabalha na área de tecnologia. Em 2019, decidiu arranjar um estágio. Se inscreveu para três e conseguiu um deles. Agora em 2020 decidiu ir para outro, se inscreveu em uma única vaga e foi aprovada. Não tenho raiva nem dela. O que mais me afeta é a diferença da facilidade de conseguir emprego em uma área comparada à outra. Ela é minha namorada. Amo ela e estou feliz que ao menos um de nós está tendo conquistas dessa área. Mas não consigo deixar de ficar pior, o problema sou eu? Nunca vou conseguir uma vaga simplesmente por causa da minha primeira formação? Porque precisei dar aulas para me sustentar? O problema é algum outro?
Enfim, esse é o meu desabafo. Desculpem pelo tamanho do texto e obrigado se alguém chegou até aqui.
submitted by Creative_Oven_6350 to desabafos [link] [comments]


2020.10.15 22:58 AdsonLeo [Encontro Miojo] Tiro ao Alvo

Olá pessoal! Mais um encontro aqui para você que, como empre, também está disponível no meu blog.
O encontro de hoje é na verdade duas sugestões de minigames para você colocar na mesa. Estas gincanas divertidas são elaboradas por gigantes das nuvens. Ávidos atiradores de pedra, os gigantes tem orgulho de seus poderosos braços e precisão milimétrica.
Talvez os aventureiros foram pegos numa disputa entre clãs gigantes e os líderes clamam pelo voluntariado deles. Quem sabe um amigo gigante precisa se distrair ou treinar pro próximo Campeonato Mundial de Arremesso. Ou uma poderosa gigante das nuvens é a guardiã de uma masmorra, castelo ou portal que levará a grandes aventuras e tesouros sem fim.
Seja como for, os jogos são: Derrube a Ave e Pequenino na Cesta. Permita que o grupo decida entre si em qual jogo cada um participará. Se possível personagens diferentes estarão em cada round, e o próprio gigante pode sugerir ou demandar isto. Desta forma não só todos os jogadores se divertirão nos minigames, mas também escolhas óbvias para mais de uma rodada terão de ser melhor feitas.
Nomes em negrito se referem a criaturas encontradas em material de D&D 5ª edição e serão seguidos por uma notação entre parênteses com o nome do livro e página em que se encontram.

Derrube a Ave

Gosto de pensar que o nome deste em inglês seria Roc Thrown, uma joguete com Rock Thrown - atirar pedras - e Roc, a ave. Imagino que o tamanho delas e a pretensão de serem senhoras dos céus daria a dose certa de desafio e satisfação sádica aos gigantes das nuvens entediados. Ou então o ódio entre eles e dragões leve os gigantes a criarem desculpas para atirar coisas contra tudo o que voa e ouse invadir seus domínios nas nuvens.
Seja como for, um cloud giant (Monster Manual, 154) com a variante New Giant Option (Storm King's Thunder, 245) precisa de alvos para seu arremesso de pedras. Um dos personagens deve servir. Ele informa que ele próprio pode conjurar a magia fly para permitir que o voluntário voe até 240 ft (alcance máximo do ataque com pedra do gigante) no ar. O gigante então terá três chances para acertar atirando pedras muito lisas e aerodinâmicas, que se assemelham a discos.
O gigante não se opõe a qualquer artifício que aumente as chances da criatura desviar, como aumento de CA, magias de escape como Mirror Image, etc. Porém, apenas os participantes deste jogo podem fazê-lo. Todo o dano dado pelos arremessos será não letal, apenas deixando o personagem inconsciente caso chegue a 0 pontos de vida. Se necessário for, o gigante conjura feather fall para ajudar um personagem a chegar seguro ao solo.
Caso queira podem ser efetuadas até 3 rodadas deste jogo, uma vez que um cloud giant pode conjurar até três vezes ao dia cada uma das magias fly e feather fall. Se mais de um gigante participa da brincadeira faça quantas achar cabível.

Pequenino na Cesta

Nesta variante do jogo Anão no Barril, o gigante prepara uma arena circular com diversas cestas distribuídas ao longo da borda. Essa distribuição é feita de forma que, independente de onde alguém estiver na arena, a pelo menos 60 ft terá uma cesta. Cada cesta tem tamanho o suficiente para acomodar uma criatura de tamanho médio.
Junto do gigante, na arena, estarão os personagens voluntários. A função deles é apenas escapar. A do gigante é conseguir chegar perto o suficiente de um personagem e arremessá-lo para uma das cestas. Para isso use a ação Fling presente no gigante variante de SKT.
Este jogo tem um número de rodadas limitadas ao dobro da quantidade de alvos. Assim, o gigante tem um pouco de margem de erro. Personagens muito ágeis ou espertos, que consigam escapar das primeiras tentativas do gigante, acabarão rápido com o jogo. O gigante arremessa com precisão e acerta automaticamente em uma das cestas personagens que não tenham sucesso no teste de resistência. O dano é aplicado da mesma forma e sempre não letal. Um personagem que caia numa cesta está fora do jogo e deve deixar a arena.
Para todos os fins é proibido voar, se tornar invisível, modificar o tamanho do corpo para ficar menor que small ou maior que medium, ou usar qualquer outro truque que inviabilize as chances do gigante perceber e interagir com um personagem. Com mobilidade e sagacidade o suficiente é possível manter distância e achar formas de não cair na cesta.
Gostou dos jogos? Tem alguma crítica, elogio ou sugestão? Deixe um comentário! Se tiver usado alguma ideia apresentada no texto comente aí como foi, adorarei ler como tudo se deu na sua mesa. Até a próxima.
submitted by AdsonLeo to rpg_brasil [link] [comments]


2020.09.29 19:56 dantor_4 Emprego em cidade minúscula

Boa tarde pessoas! Tenho um problema de anos, mas eu não consigo resolver, moro em cidade MUITO pequena, e caso você também more, sabe muito bem que as coisas são obviamente escassas, o que não é diferente para empregos...
Vejo meus ex-colegas trabalhando e me sinto um inútil, eles tem pais que dão oportunidades, ou então são recomendados por amigos, mas o meu problema é que eu sempre fui extremamente solitário, então não consigo recomendação ou oportunidade de ninguém, e tenho certeza que não vou, eu tentei mudar isso, mas não acho relevante para contar, já que não deu certo, como podem ver.
Eu sempre soube que isso iria acontecer, por isso me preparei, estudava por minha conta em casa algo que pudesse fazer pra quando saísse da escola(recomendo demais que faça, caso ainda seja só um estudante), vi e ainda vejo algumas coisas, mas resolvi me tornar ilustrador, só que sempre tive limitações, como não ter computador, mesa digitalizadora e etc. Então desenho no celular, utilizando meu dedo mesmo, e as pessoas se impressionam quando sabem, mas acho melhor que nem saibam, lógico.
Só que isso não tá sendo nem de longe o suficiente, passo por períodos sem trabalho algum, e eu queria bastante conseguir trabalhar com algo de casa, tendo em vista o que falei anteriormente, mas não me importaria de nenhuma maneira de ser empregado por alguém também. Gostaria de parar de ser um peso apenas, isso vem da minha infância, e dói bastante viver todos os dias assim, mesmo depois de anos tentando =,(
Quero resolver isso de vez esse ano! Sei que é mais difícil pela pandemia e tudo mais, mas realmente me machuca a níveis extremos, de ficar extremamente deprimido por vários dias seguidos até. Adoraria dicas/conselhos, experiências pessoais, qualquer coisa que possa me ajudar pfvr!
(Resumi tudo pra não ficar tão longo, o mais importante foi dito)
submitted by dantor_4 to desabafos [link] [comments]


2020.09.28 10:24 UninformedImmigrant U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 2: Que se lixe isto, vou comprar um carro]

Olá amigos. Hoje vamos falar de carros, um assunto que me é muito querido.

Take-Aways Principais

Driving is love, driving is life

Quando tinha 14 anos os meus pais deram-me uma motinha de 50cc velhinha. Tinha dezenas de milhares de quilómetros, estava a precisar de algum trabalho, gastava muita (MUITA) gasolina, mas era minha. A partir desse dia tornei-me independente: tinha a possibilidade de ir onde quisesse, quando quisesse. Toda a cidade passou a estar acessível no espaço de minutos e não horas, e as aldeias envolventes em "meias horas" e não horas. Deixei de ter que pedir para que me levassem aos sítios, passei a ir quando queria ou precisava. Com algum dinheiro da mesada podia ir saindo com os amigos e começando a ter uma vida mais "adulta". Pouco tempo depois, ainda por volta dos 14, aprendi a conduzir carros também (em estradas privadas, claro).
O valor desta transição é absolutamente imensurável no desenvolvimento de um miúdo. Passa a haver responsabilidade. Quando tinha acidentes, o que acontece de certeza, a culpa era minha e havia consequências. O corpo doía, a mota aparecia riscada e a precisar de reparações, e o que não conseguisse fazer eu tinha que encontrar forma de pagar. Os vizinhos queixavam-se do barulho. Quando chovia chovia-me em cima, e quando fazia frio de manhã a mota não queria pegar. Mas! Quando queria ir ao Continente comprar doces podia ir, quando queria ir visitar o meu pai não tinha que pedir boleia a ninguém, e por aí fora.
A experiência de começar a conduzir muito cedo, particularmente no ambiente "controlado" de uma cidade pequena, serve também para desenvolver algum instinto (à falta de melhor expressão) para a condução, nomeadamente para as duas partes fundamentais que as constituem:
Eu não sei como tem sido ultimamente, mas o processo de obter a licença dos 14 anos há quase 20 anos atrás era ridiculamente simples. Eu sinto que isso não é necessariamente mau, pois reduz a barreira de entrada à condução numa altura em que ainda é possível ganhar aquele "jeito" para a condução sem se tornar uma coisa estrangeira e forçada. Tudo somado, foi facilmente uma das experiências que mais serviram para me fazer crescer naquela altura, e algo que pretendo certamente incutir em infelizes filhos que alguma vez venha a ter.
Quando fiz 18 anos deram-me um carro (muito) velhinho para as minhas voltinhas em Coimbra, para onde iria estudar. Mais uma vez, é um privilégio: era muito velhinho, o seguro era baratinho e o imposto também, mas mesmo assim nem toda a gente conseguia ter o seu próprio carro. Por ter carro nunca precisei de usar os autocarros muito regularmente, o que me permitiu poupar noutras coisas: podia fazer as minhas próprias mudanças quando mudava de casa, podia participar em actividades extra-aulas com mais facilidade, etc etc. Fui quase sempre designated driver, mas sempre foi uma responsabilidade que aceitei com muito gosto: é bom de ter a oportunidade de levar os meus amigos a casa em segurança no fim de uma noite de castanhada. Se eu próprio quisesse participar na castanhada, a Maria normalmente voluntariava-se para trazer o carro para casa.
Ter um carro velho, sem modernices como sensores (ahah), GPS, rádio (exacto), direcção assistida ou ABS, permitiu-me fazer certas coisas. Com a liberdade de experimentar, pude tentar fazer várias reparações eu próprio; notavelmente, o disco de embraiagem que neste momento está nesse carro, que ainda anda, fui eu que o coloquei lá. Pude também fazer uso de alguns baldios que há em Coimbra e arredores para aprender a controlar o carro em situações mais extremas; uma espécie de curso de condução em condições adversas do homem pobre. O que é que acontece se tiver que fazer uma travagem de emergência em piso escorregadio? Como compensar a falta de ABS caso as rodas tranquem? E se a traseira deslizar?
Conduzir, para mim, não é um privilégio nem uma mania nem um capricho. É uma das pedras basilares da forma como lido com o dia-a-dia, uma forma inalienável de independência. O transporte pessoal é uma extensão do meu corpo e conduzir é um escape muito, muito importante.

Viver no campo sem carro

Durante os primeiros 6 meses que passei no UK tive que viver sem transporte próprio; apenas conduzi carros alugados por curtos períodos para ver casas ou fazer mudanças. Usei esses meses para me ambientar, deixar passar o primeiro inverno, estabelecer-me no trabalho e tratar de todas aquelas burocracias que discutimos no capítulo anterior. Aguentei todo esse tempo graças ao facto de a empresa para quem trabalho oferecer um serviço de shuttles para funcionários, que liga o campus às cidades e vilas mais próximas, numa das quais eu vivo. Isto permitiu-me não me preocupar com transportes para o trabalho durante meses, o que foi uma benesse incrível.
Estes primeiros meses foram de adaptação, de exploração e de cometer erros parvos. De aprender a perceber os Ingleses, como se comportam nas coisas mais básicas, e de me tentar misturar com eles com sucesso. Eu optei por viver no campo (i.e. significativamente fora das cidades grandes aqui à volta) por várias razões:
Tirando as viagens casa-trabalho-casa, a minha mobilidade estava muito reduzida. Ir a qualquer lado envolvia caminhar uma distância suficientemente grande para me chatear, no mínimo até à estação dos comboios e depois outro tanto onde quer que fosse. Ir às compras era um pau no cu porque tinha que as arrastar pelo monte acima até casa, pelo menos até descobrir que os supermercados entregam em casa por um preço muito muito razoável.
E depois há a rede de transportes. Eu adoro andar de comboio, mas infelizmente aqui é impossível. Nós somos dois, e ir à cidade mais próxima custa-me, pelo menos, umas 20 libras em bilhetes de comboio. Para comparação, demoro uns 25min a chegar lá de carro (mais ou menos o mesmo) e gasto talvez 2 ou 3 libras de combustível. Já para não falar no congestionamento a certas horas, em que não só os bilhetes são estupidamente mais caros, como temos que fazer a viagem toda em pé. Viagens grandes então nem se fala! Eu quero ir à Escócia ver se encontro a Nessie, e a viagem de comboio para 2 pessoas, ida e volta, ia-me custar facilmente 1000£!! Os comboios em si são espectaculares; fazem os nossos velhinhos Intercidades parecer ainda mais velhos e merdosos do que são mesmo.
Aos autocarros aplicam-se comentários semelhantes, com algumas agravantes. Não só são caros como tendem a não andar a horas, são populados com as pessoas mais nojentas que se consiga imaginar, e devem ser limpos à saída da fábrica e nunca mais.
Se calhar sou eu que sou maniento, se calhar acham que sou um snob mal habituado que anda de cu tremido desde cachopo, se calhar acham que devia era viver uns anos sem carro para ver o que é bom. Eu cá acho que paguei as minhas favas e agora mereço andar de carro até me doerem os joellhos. Eu antes quero poder ter carro e viver deslocado da cidade, do que viver no centro e andar no meio do magote enfiado em autocarros bolorentos e metros a cheirar a mijo. São escolhas. Não vejo grande apelo na "vida cultural" da cidade, da qual até posso desfrutar pegando no carrito e indo lá ver o que é o quê.

Comprar um carro

Um dia destes, com a conta do banco recheada de dinheiro de devolução de impostos, decidi que estava na hora de comprar um carro. Andei a ver carros novos e usados, e decidi que o hot hatch era para mim. Algo na vizinhança das 20000 libras, 10 pagas à entrada e outras 10 pagas em prestações durante uns 3 anos. Parecia-me razoável, estava bem dentro dos limites do que podia pagar e não me impedia de ir chegando aos meus objectivos de poupança.
Marquei um test drive e apanhei um comboio até ao stand. Chegado lá, aproveitei para fazer todas as perguntas e mais alguma ao vendedor, entre as quais como funcionaria o financiamento. Aí ele entregou as más notícias: com menos de 3 anos de residência, é virtualmente impossível conseguir financiamento para um carro, muito menos naqueles valores. Chateei-me, chamei um taxi e fui-me embora sem muito mais conversa. Fiquei fodido. Ainda verifiquei junto do meu banco com esperança da que eles, sabendo quanto ganho, etc, fizessem um jeitinho. Os valores a que me podia candidatar era muito mais baixos do que alguma vez funcionariam, por isso desisti do financiamento. Pela primeira vez na minha vida, ia comprar um carro a pronto.
Passei umas semanas a estudar melhor o mercado de usados. Andei a ver no autotrader [1], aparentemente o site mais popular de anúncios de carros. A primeira coisa em que reparei foi o quão mais baratos os carros são aqui que em Portugal. Eu sempre achei os carros usados caríssimos em Portugal, mas isto trouxe à luz o quão roubado o tuga médio é quando compra um carro. Para terem uma ideia, um familiar meu tinha comprado um carro por 5000€ (valor ajustado ao mercado) pouco antes de me mudar para cá. O mesmo carro, mesmo ano, mesmo trim level, com menos quilómetros, aqui custava 750£. Telefonei-lhe a gozar com ele, foi incrível.
Então decidi que o meu orçamento seria os tais 10k que pretendia originalmente dar como entrada. Deixei de parte a ideia do hot hatch para poder comprar algo mais recente, pois queria um carro com 2 ou 3 anos no máximo. Este limite não era tanto por cagança, mas porque queria apostar mais na fiabilidade do que noutros aspectos. Um carro mais novo, com menos quilómetros, tem uma probabilidade menor de me dar problemas no início, o que me compra tempo para conhecer o panorama de oficinas aqui à volta, o que esperar do seguro, etc. Pequeno, novo, simples, fiável; fui à caça
Há um conjunto de coisas a ter em atenção quando se procurar um carro usado:
Curiosamente, acabei por comprar o meu carro no mesmo stand onde fui antes, ao mesmo vendedor que me tinha entregue a triste notícia sobre o financiamento. Ele ficou impressionado por me ver de volta, mas a vida tem dessas coisas. Apenas fiz um test drive, e comprei imediatamente o carro. Pode parecer precipitado, mas:
bom negócio. Um bocadinho acima do valor de mercado segudo o autotrader, mas nada de muito preocupante.
Ficou marcado ir levantar o carro dali a 2 dias, e entretanto teria de tratar do seguro. Eu já tinha feito algumas simulações de seguros, portanto sabia o que esperar, mas mesmo assim achei caro: quase 1000£ ano para o seguro de um carro pequeno. Entretanto tenho explorado melhor o assunto, e parece que o mercado de seguros no UK sofre de graves problemas:
Para tornar o sistema verdadeiramente insultuoso, há seguradoras que oferecem potenciais descontos se instalarmos no carro um tracker da sua eleição [4]. Ou seja: cobram o que quiserem e ainda querem saber onde ando e a que velocidade ando, e se eu conduzir "bem" segundo lá os critérios deles, fazem-me um desconto; se não gostarem da minha condução sobem-me o preço. Naturalmente, mandei-os passear e paguei mais por um seguro sem tracker. Honestamente, acho a mera proposta de me deixar espiar por um potencial desconto no seguro nojenta: é o reflexo de um sistema profundamente partido. Ninguém diz a um português o que é conduzir "bem", caralho.
O seguro do carro trata-se todo online, o que para mim é muito estranho, e até se pode verificar online se o carro tem seguro [5]. Os comparadores de preços [6] são nosso amigos, mas cuidado com eles por vezes; já li casos de pessoas que tiveram apólices canceladas por tentarem muitas comparações com detalhes ligeiramente diferentes (infelizmente não encontrei uma ref para esta, mas penso que foi no /LegalAdviceUK). Correndo o risco de me repetir, o sistema de seguros auto aqui está profundamente desregulado e a precisar de alguém com tomates para o resolver. Certamente não será o BoJo.
No dia em que levantei o carro:
Dias depois recebi o novo V5C em meu nome. O V5C é uma espécie de livrete, ou "documento único" se formos modernos, mas ao contrário do livrete nunca deve andar no carro pois é muito fácil transferir o V5C para outro nome sem intervenção do dono anterior. Mais curiosamente ainda, o V5C não prova propriedade do carro, apenas quem é o "registered keeper" dele. Por outras palavras, a minha única forma de demonstrar que sou dono do carro é a factura que me deram quando o comprei. Neat.
Sentei-me no carrito, carreguei no botão para arrancar o motor pensando "que modernice", e ele lá acordou. Curiosamente, só nesta altura é que me ocorreu: se calhar não era uma má ideia ir ler sobre as regras da estrada aqui. Sorte a minha, o governo tem a totalidade do Highway Code [8] disponível no site, e tenho-o lido aos bocadinhos. Mais sobre isso no próximo capítulo.
Curiosamente, não é preciso termos connosco nenhuma documentação quando conduzimos [9]. Os Ingleses têm uma abordagem diferente da nossa no que toca à documentação; é tudo guardado em bases de dados do governo, e eles só precisam de verificar a matrícula contra a base de dados para saber se está tudo bem. O condutor apenas precisa de ter a carta de condução, e alguma identificação por conveniência. Eu pessoalmente costumo ter o cartão de cidadão e a carta de condução. Idealmente teria o passaporte, mas evito andar com o passaporte no bolso, e o cartão de cidadão deve ser mais do que suficiente como identificação até no mundo pós-brexit. Na realidade penso que a carta de condução por si chegaria, mas mais vale estar seguro né?
Virei proprietário do meu próprio veículo! Mais um, porque nunca vendi o bolinhas que está em Portugal.

Conclusão

Tenho que confessar que estou impressionado pela positiva com a experiência que foi comprar um carro no UK. O processo foi muito mais simples do que esperava, e praticamente tudo se tratou no stand na hora da compra. Até o seguro podia ter ficado logo resolvido, mas eu preferi fazer em casa com mais algum controlo sobre isso. Nota-se que é um sistema muito mais polido que em Portugal, pelo menos na minha experiência.
A minha relação próxima com a condução começa a entrar, infelizmente, em rota de colisão com o status quo: vivemos num mundo que cada vez menos suporta o transporte individual. Há gente a mais no mundo, e há carros a mais no mundo, há fumo a mais no mundo. Na realidade, há "a mais no mundo" de quase tudo o que é mau, pessoas incluídas. Sinto que esta minha necessidade de conduzir vai brevemente bater de frente contra a necessidade global de cortar no transporte individual a favor de transportes colectivos. Até lá, vou aproveitar as espectaculares estradas de campo aqui à volta, particularmente a horas em que não estejam completamente congestionadas. Fiquem de olho, o próximo capítulo vai falar sobre a experiência que é conduzir no UK, e como é que difere do que eu esperava.
Desta feita apontei para um post mais curto que o anterior, que essencialmente parte este assunto em dois: este primeiro cobre o processo de como (e porquê) comprei o carro, e o seguinte vai cobrir a experiência de conduzir em si. Notei que o engagement no capítulo 1 foi menor que nos posts anteriores, e suspeito que ler uma epopeia tão longa não ajuda; digam-me nos comments se tenho razão.
Abraços, e obrigado por virem à minha TED talk.

Referências

Capítulos Anteriores

submitted by UninformedImmigrant to portugal [link] [comments]


2020.09.26 01:53 altovaliriano Descriptografando a Carta Rosa

Texto original: https://cantuse.wordpress.com/2014/09/30/the-pink-lette
Autor: Cantuse
Partes traduzidas: 1) A Estrada Para Vila Acidentada, 2) Uma Aliança de Gigantes e Reis, 3) Despindo o Homem Encapuzado, 4) Confronto nas Criptas, 5) Tendências Suicidas
---------------------------------------------------
OBS: Esta é a última parte que traduziremos por agora.
---------------------------------------------------

O MANIFESTO : VOLUME II, CAPÍTULO VII

Não há como negar que resolver o mistério da Carta Rosa é uma imbróglio complicado. Já existem dezenas de teorias.
Resolver esse mistério tem sido um dos grandes objetivos do Manifesto desde o início, e acho que fiz um bom trabalho de construção progressiva até este ponto.
NOTA: O ideal era que você tivesse lido todos os ensaios até este ponto, mas se você insiste em ler assim, eu sugiro que pelo menos você leia Confronto nas Criptas e Tendências Suicidas primeiro.
Vamos direto ao assunto. Neste ensaio, estou apresentando os seguintes argumentos.
À luz das muitas teorias anteriores estabelecidas aqui no Manifesto, podemos desenvolver um entendimento muito convincente da chamada Carta Rosa e do que ela realmente diz.
[...]

A CARTA ROSA

Esta seção é apenas uma recapitulação da carta, seu texto e as várias outras características que possui.
Coloco esta seção aqui como uma referência fácil durante a leitura deste ensaio.

O texto

Seu falso rei está morto, bastardo. Ele e toda sua tropa foram esmagados em sete dias de batalha. Estou com a espada mágica dele. Conte isso para a puta vermelha.
Os amigos de seu falso rei estão mortos. Suas cabeças estão sobre as muralhas de Winterfell. Venha vê-las, bastardo. Seu falso rei morreu, e o mesmo acontecerá com você. Você disse ao mundo que queimou o Rei-para-lá-da-Muralha. Em vez disso, você o enviou para Winterfell, para roubar minha noiva.
Terei minha noiva de volta. Se quer Mance Rayder de volta, venha buscá-lo. Eu o tenho em uma jaula, para que todo o Norte possa ver, a prova de suas mentiras. A jaula é fria, mas fiz um manto quente para ele, com as peles das seis putas que o seguiram até Winterfell.
Quero minha noiva de volta. Quero a rainha do falso rei. Quero a filha deles e a bruxa vermelha. Quero sua princesa selvagem. Quero seu pequeno príncipe, o bebê selvagem. Quero meu Fedor. Mande-os para mim, bastardo, e não incomodarei você e seus corvos negros. Fique com eles, e eu arrancarei seu coração bastardo e o comerei.
Estava assinado:
Ramsay Bolton
Legítimo Senhor de Winterfel
(ADWD, Jon XIII)

A descrição da carta

Bastardo, era a única palavra escrita do lado de fora do pergaminho. Nada de Lorde Snow ou Jon Snow ou Senhor Comandante. Simplesmente Bastardo. E a carta estava selada com um pelote duro de cera rosa.
Estava certo em vir imediatamente – Jon falou. Está certo em ter medo.
(ADWD, Jon XIII)

DIFICILMENTE O BASTARDO

Acho que já fiz um argumento convincente de que Mance Rayder está disfarçado de Ramsay Bolton (veja o Confronto nas Criptas).
Mas tenho certeza de que os leitores apreciariam pelo menos uma rápida avaliação das muitas outras razões pelas quais não acredito que a carta possa ser de Ramsay.
Especificamente, esta seção está identificando maneiras pelas quais a carta é incoerente com o que sabemos sobre Ramsay. Não acredito que nada disso por si só desqualifique Ramsay como autor, mas coletivamente elas geram grandes dúvidas.
Se minuciosas listas de evidências o aborrecem, pule para a próxima seção.

Falta o botão

Todas as cartas anteriores de Ramsay foram seladas com "botões" bem formados de cera:
Empurrou o pergaminho, como se não pudesse esperar para se ver livre dele. Estava firmemente enrolado e selado com um botão de cera dura rosa.
(ADWD, A noiva rebelde)
Clydas estendeu o pergaminho adiante. Estava firmemente enrolado e selado, com um botão de cera rosa dura.
(ADWD, Jon VI)
A Carta Rosa é lacrada com "pelote duro de cera rosa", uma discrepância notável.

Cabeças na Muralha

Enfiar cabeças em lanças parece um tanto incoerente com o estilo pessoal de Ramsay e com os maneirismos de Bolton observados a esse respeito: esfolar ou enforcar.

Sem pele ou sangue

Um dos artifícios mais conhecidos de Ramsay é o envio de mensagens escritas com sangue e com pedaços de pele anexados.
Não há menção de sangue usado como tinta, nem está implícito, como ocorre em outras cartas que parecem ser dele. Definitivamente, não há menção a um pedaço de pele, o que é estranho, considerando que Ramsay afirma ter Mance Rayder e todas as seis esposas de lança ... certamente uma delas poderia fornecer um pouco de pele.

Como Ramsay saberia?

Por que Ramsay pede Theon a Jon ?
Se Theon foi entregue a Stannis, e Stannis tinha toda a intenção de matá-lo, por que Ramsay acreditaria que Theon está agora com Jon?
Nem mesmo Mance Rayder saberia disso.
Além disso, “Arya” foi entregue a Stannis também, via Mors Papa-Corvos.
Por que ele acreditaria que Arya está com Jon?
Se todo a hoste de Stannis foi realmente destruída, você deve se perguntar onde Ramsay ficou sabendo destes detalhes, principalmente com relação a Theon.
É uma suposição sensata pensar que Stannis pode enviar "Arya" de volta a Castelo Negro (na verdade, foi o que Stannis faz), mas mesmo uma formação primária em inteligência [militar] torna óbvio que Theon seria de grande valor estratégico em uma batalha contra Winterfell, mas em nenhum outro lugar.
Uma pessoa pode então arguir que isso só pode significar que o corpo de Theon não foi descoberto entre os mortos. No entanto, dadas as condições meteorológicas, essa provavelmente é uma tarefa impossível de realizar. Portanto, Ramsay não teria nenhuma base e nenhuma confiança para pensar que Jon tinha Theon em absoluto.

ENDEREÇADO À MULHER VERMELHA

No início deste ensaio, declarei que a Carta Rosa se destinava especialmente a Melisandre. Preciso lhes dar as evidências. Tanto aquelas dedutivas (ou razoáveis), quanto aquelas que estão implícitas ou que foram estabelecidas daquele jeito inteligente e sutil que Martin faz com frequência.

Missão de Mance

Como já estabeleci no Manifesto, a missão de Mance baseava-se em saber onde seria o casamento de Arya.
Assim, quando Jon recebeu seu convite de casamento, Mance deveria partir para Vila Acidentada.
Jon acidentalmente recebeu o convite enquanto estava no pátio de treinamento, lutando com Mance disfarçado de Camisa de Chocalho. Assim, Mance foi capaz de simplesmente ouvir o local. Mas não podemos presumir que Mance e Melisandre apostaram tudo em terem a sorte de ouvir qual seria o local.
Uma dedução simples conclui que Mance era capaz e estava determinado a ler as cartas no quarto de Jon até que surgisse a localização.
NOTA: Se esta explicação parece insuficiente, eu apresento o argumento por completo em um ensaio anterior A estrada para Vila Acidentada.
Isso também significa que o convite não era realmente para Jon, mas sim para Melisandre e Mance, como um 'gatilho' para o início de sua missão. Novamente, eu explico a base para essas conclusões no ensaio mencionado acima.
Isso estabelece o precedente de que as mensagens enviadas para Castelo Negro podem, de fato, ter a intenção de se comunicar secretamente com Melisandre.

Ratos Cinzentos

Aqui há um exemplo de Martin possivelmente invocando um dispositivo que é sua marca registrada: enterrar recursos de enredo relevantes para uma história em outra, geralmente via metáforas ou alegorias inteligentes.
Três citações devem ser suficientes para você entender (em negrito, para dar ênfase nas partes principais):
Três deles entraram juntos pela porta do senhor, atrás do palanque; um alto, um gordo e um muito jovem, mas, em suas túnicas e correntes, eram três ervilhas cinza de uma vagem negra.
(ADWD, O Príncipe de Winterfell)
:::
Se eu fosse rainha, a primeira coisa que faria seria matar todos esses ratos cinzentos. Eles correm por todos os lados, vivendo dos restos de seus senhores, tagarelando uns com os outros, sussurrando no ouvido de seus mestres. Mas quem são os mestres e quem são os servos, realmente? Todo grande senhor tem seu meistre, todo senhor menor deseja ter um. Se você não tem um meistre, dizem que você é de pouca importância. Esses ratos cinzentos leem e escrevem nossas cartas, principalmente para aqueles senhores que não conseguem ler eles mesmos, e quem diz com certeza que eles não estão torcendo as palavras para seus próprios fins? Que bem eles fazem, eu lhe pergunto.
(ADWD, O Príncipe de Winterfell)
:::
Lorde Snow. – A voz era de Melisandre.
A surpresa o fez afastar-se dela.
Senhora Melisandre. – Deu um passo para trás. – Confundi você com outra pessoa.À noite, todas as vestes são cinza. E subitamente a dela era vermelha.
(ADWD, Jon VI)
A noção de que todos os mantos são cinza parece equivocada: Melisandre equivale a um meistre .
O que é verdade em muitos sentidos: ela é definitivamente uma conselheira de Stannis e 'sussurra' em seu ouvido. E talvez o mais notável seja o fato de que muitos questionam quem realmente está no comando: Stannis ou sua mulher vermelha?
Quando você vê esses paralelos, a alusão a ela usar vestes cinzas tem uma conexão forte e interessante com o conceito de cartas em que alguém está 'torcendo as palavras'.
Afinal, eu dei argumentos convincentes de que o convite de casamento de Jon era para Mance e Melisandre e foi enviado por Mors Papa-Corvos. Alguém contestaria a noção muito razoável de que outras cartas seriam igualmente confidenciais?
Outra coisa engraçada sobre essa ideia é que Melisandre literalmente distorce as palavras para seus próprios propósitos:
O som ecoou estranhamente pelos cantos do quarto e se torceu como um verme dentro dos ouvidos deles. O selvagem ouviu uma palavra, o corvo, outra. Nenhuma delas era palavra que saíra dos lábios dela.
(ADWD, Melisandre)

Uma bela truta gorda

Há um outro elemento temático que sugere que as cartas podem possuir conteúdos secretos, uma característica interessante atribuída a duas cartas diferentes em As crônicas de gelo e fogo.
A primeira carta é a de Walder Frey, enviada a Tywin após o Casamento Vermelho:
O pai estendeu um rolo de pergaminho para ele. Alguém o alisara, mas ainda tentava se enrolar. “A Roslin pegou uma bela truta gorda”, dizia a mensagem. “Os irmãos ofereceram-lhe um par de pele de lobo como presente de casamento.” Tyrion virou o pergaminho para inspecionar o selo quebrado. A cera era cinza-prateada, e impressas nela encontravam-se as torres gêmeas da Casa Frey.
O Senhor da Travessia imagina que está sendo poético? Ou será que isso pretende nos confundir? – Tyrion fungou. – A truta deve ser Edmure Tully, as peles…
(ASOS, Tyrion V)
A segunda é a carta ostensiva que Stannis escreveu a Jon Snow enquanto estava em Bosque Profundo. Não vou citar a carta (é um texto imenso), apenas um elemento da descrição:
No momento em que Jon colocou a carta de lado, o pergaminho se enrolou novamente, como se ansioso para proteger seus segredos. Não estava seguro sobre como se sentia a respeito do que acabara de ler.
(ADWD, Jon VII)
O que estou tentando apontar aqui é que a primeira mensagem de Walder Frey definitivamente tinha uma mensagem inteligentemente escondida. E por alguma razão, Martin decidiu mostrar que a carta 'queria' enrolar-se novamente.
A segunda mensagem também quer enrolar-se e, se você a ler com atenção, há um grande número de coisas que são totalmente incorretas ou atípicas em relação a Stannis nela. Cavaleiros homens de ferro? Execução por enforcamento?
Já tomei a liberdade de esquadrinhar tortuosamente os livros e não consigo encontrar de pronto outros exemplos em que as cartas foram personificadas dessa maneira.
Junto com os pontos anteriores, este não reforçaria a ideia de que Melisandre (e Mance por um tempo) está recebendo mensagens camufladas enquanto está em Castelo Negro?

Carta de Lysa

Outra indicação de que tais 'cartas codificadas' não são incomuns é que uma das primeiras cartas que vimos nos livros era uma: a que Catelyn recebe de Lysa.
Seus olhos moveram-se sobre as palavras. A princípio pareceu não encontrar nenhum sentido. Mas depois se recordou.
Lysa não deixou nada ao acaso. Quando éramos meninas, tínhamos uma língua privada.
(AGOT, Catelyn II)
* * \*
Deve ser apontado que isso também faz sentido de uma perspectiva puramente lógica. Como já argui veementemente que Stannis, Mance e Melisandre conspiraram juntos, faria sentido que todas as partes precisassem ser capazes de se comunicar de uma forma que protegesse a referida conspiração.
Nesse ponto, tal tipo de carta constitui a opção mais adequada, como mostram as cartas de Walder Frey e Lysa Tully.
Esse tipo de proteção de carta – enterrar uma mensagem secreta em outra mensagem, de modo que não possa ser detectada – é conhecido como esteganografia.
A Dança dos Dragões faz de tudo para educar os leitores de que nem sempre se pode confiar nos meistres com segredos: ouvimos isso de Wyman Manderly e Barbrey Dustin. No entanto, se um rei ou outro oficial escrever suas cartas com mensagens secretas esteganográficas, os verdadeiros detalhes serão ocultados até mesmo dos meistres. Na verdade, foi exatamente isso que observamos na carta de Walder Frey a Tywin Lannister.
Meu objetivo final neste ensaio é convencê-lo de que a Carta Rosa é uma mensagem esteganográfica de Mance Rayder para Melisandre. A forma como foi escrita esconde seus segredos de qualquer meistre (ou Jon Snow) que tente interpretá-la.
A principal desvantagem de tentar decifrar qualquer mensagem esteganográfica é esta:
Por que eles não encontraram nada? Talvez eles não tenham procurado o suficiente. Mas há um dilema aqui, o dilema que capacita a esteganografia. Você nunca sabe se há uma mensagem oculta. Você pode pesquisar e pesquisar, e quando não encontrar nada, você pode apenas concluir “talvez eu não procurei com atenção”, mas talvez não haja nada para encontrar.
ESTRANHOS HORIZONTES, ESTEGANOGRAFIA: COMO ENVIAR UMA MENSAGEM SECRETA
Isso significa que a única maneira real de provar a você que Mance escreveu a Carta Rosa é se eu conseguir encontrar uma tradução irresistivelmente convincente de qualquer conteúdo secreto que ela possa ter.
E mesmo assim você pode argumentar que não é verdade. Embora eu espere que você não diga isso quando terminar este ensaio.

Querida Melisandre

Além de todos os pontos acima, Melisandre consegue tornar tudo ainda mais explícito. Antes da chegada da Carta Rosa, Melisandre diz:
Todas as suas perguntas serão respondidas. Olhe para os céus, Lorde Snow. E, quandotiver suas respostas, envie para mim. O inverno está quase sobre nós. Sou sua única esperança.
(ADWD, Jon XIII)
Isso parece enfaticamente dizer a Jon que ela quer vê-lo depois que a carta chegar.
Observe como ela está lá quando Jon decide ler a carta em voz alta no Salão dos Escudos. Eu sei que isso parece um detalhe trivial, mas considere que ela não apareceu antes do início da reunião e que ela desapareceu quase imediatamente após Jon terminar.
Isso está relacionado à principal preocupação que a vemos expressar em sua conversa com Jon antes da chegada da carta: abandonar a caminhada para resgatar os que estavam em Durolar.
Mas por que?
Este é um ponto que revelarei mais tarde no Manifesto. Por enquanto, deve bastar saber que Melisandre queria ver ou ouvir o conteúdo dessa carta.

VERNÁCULO SELVAGEM

Nas próximas duas seções, demonstrarei por que a Carta Rosa foi escrita por Mance. Esta primeira seção consiste em detalhes o que vemos no texto, a linguagem usada e assim por diante.
Em particular, existem frases que são bastante específicas para Mance (ou que excluem Ramsay), e também detalhes que são específicos para a conspiração Mance-Melisandre.
Se minuciosas listas de evidências o aborrecem, pule para a próxima seção.

“Falso Rei”

Esta frase é especificamente o que Melisandre usa para se referir a Mance Rayder, ela o chama de falso rei duas vezes. Quase não aparece em nenhum outro lugar em A Dança dos Dragões , a exceção sendo uma instância onde Wyman Manderly declara Stannis um falso rei.

“Corvos Negros”

Os selvagens são as únicas pessoas que usam os termos corvo ou corvo negro em um sentido depreciativo.
A única exceção a isso é Jon Snow (o que é interessante), quando ele está tentando convencer o povo livre.

“Princesa Selvagem” e “Pequeno Príncipe”

O termo princesa selvagem abunda na Muralha, uma invenção dos irmãos negros que então se espalhou entre os homens da rainha.
O pequeno príncipe foi especificamente apresentado na Muralha, primeiro por Melisandre e depois por Goiva:
Melisandre tocou o rubi em seu pescoço. – Goiva está amamentando o filho de Dalla, além do seu próprio. Parece cruel separar nosso pequeno príncipe de seu irmão de leite, senhor.
(ADWD, Jon I)
Faça o mesmo, senhor. – Goiva não parecia ter nenhuma pressa em subir na carroça. – Faça o mesmo pelo outro. Encontre uma ama de leite para ele, como disse que faria. Prometeu-me isso. O menino... o menino de Dalla... o principezinho, quero dizer... encontre uma boa mulher pra ele, pra que ele cresça grande e forte.
(ADWD, Jon II)
Embora uma pessoa possa pensar que Melisandre está sugerindo de maneira sutil que sabe sobre a troca do bebê, isso não fica claro. O trecho sobre Goiva certamente deixa isso explícito.
O verdadeiro ponto aqui é que a terminologia aqui só foi vista antes na Muralha. Além disso, uma vez que nem Val nem o filho de Mance são verdadeiramente da realeza, não faz muito sentido que Mance ou qualquer uma das esposas de lança digam que são, mesmo que sob tortura.

Para que todo o Norte possa ver

O autor afirma que tem Mance Rayder em uma jaula para que todo o Norte possa ver.
Mance disse algo muito semelhante a Jon anteriormente:
Ele queimou o homem que tinha que queimar, para todo mundo ver. Fazemos o que temos que fazer, Snow. Até mesmo reis.
(ADWD, Jon VI)

INCLINAÇÃO PARA A SAGACIDADE

Além dos vários atributos já citados que favorecem Mance como autor, há um que se sobressai a todos:

Disfarçado de Camisa de Chocalho

Observe:
Vou patrulhar para você, bastardo – Camisa de Chocalho declarou. – Darei conselhos sábios, ou cantarei canções bonitas, o que preferir. Até lutarei por você. Só não me peça para usar esse seu manto.
(ADWD, Jon IV)
É muito difícil negar que esta não seria uma grande alusão ao próprio Mance em quase todos os detalhes. É tão certeiro que estou surpreso de que Melisandre ou Stannis não o tenham repreendido ou o mandado calar a boca.
Stannis queimou o homem errado.
Não. – O selvagem sorriu para ele com a boca cheia de dentes marrons e quebrados. – Ele queimou o homem que tinha que queimar, para todo mundo ver. Fazemos o que temos que fazer, Snow. Até mesmo reis.
(ADWD, Jon VI)
Esta é uma maneira inteligente de sugerir que Stannis queimou o Camisa de Chocalho verdadeiro no lugar de Mance, apenas porque o mundo precisava ver Mance morrer, não porque os crimes de Mance justificassem a execução.
Eu poderia visitar você tão facilmente, meu senhor. Aqueles guardas em sua porta são uma piada de mau gosto. Um homem que escalou a Muralha meia centena de vezes pode subir em uma janela com bastante facilidade. Mas o que de bom viria de sua morte? Os corvos apenas escolheriam alguém pior.
(ADWD, Melisandre)
Como observei em outro ponto do texto, muito provavelmente se esperava que Mance subisse aos aposentos de Jon e lesse suas cartas, se assim fosse necessário para descobrir o local do casamento. Portanto, esta passagem parece ser uma dica engraçada de que ele pode ter estado nos aposentos de Jon, sem nunca tê-lo matado.

Disfarçado de Abel

O apelido de Mance por si só é uma pista inteligente, mas ele dá um passo além em muitos aspectos ao se passar por Abel.
Perto do palanque, Abel arranhava seu alaúde e cantava Belas donzelas do verão. Ele se chama de bardo. Na verdade, é mais um cafetão.
(ADWD, O Príncipe de Winterfell)
Aparentemente, muito pouco se sabe sobre a música. No entanto, um exame cuidadoso de um capítulo em A Tormenta de Espadas revela o primeiro verso da música (pelo menos na minha opinião):
– Vou à Vila Gaivota ver a bela donzela, ei-ou, ei-ou...
Co’a ponta da espada roubarei um beijo dela, ei-ou, ei-ou.
Será o meu amor, descansando sob a tela, ei-ou, ei-ou.
(ASOS, Arya II)
Uma escolha de música inteligente considerando sua inspiração em Bael, o lendário ladrão de filhas que se escondeu nas criptas Stark.
O mesmo poderia ser dito sobre a deturpação de “A Mulher do Dornês” quando ele mudou a letra para ser sobre a “filha de um nortenho”.
Além disso, há ocasiões em que ele toca uma música “triste e suave”, que já demonstrei ser um sinal para as esposas de lança.

UMA TRADUÇÃO LINHA-A-LINHA

Essa é a parte essencial do texto. Vou percorrer toda a Carta Rosa e explicar o que ela realmente diz. Lembre-se de que você deve ter chegado a este ponto no Manifesto tendo lido os textos anteriores, o que significaria que você já assumiu as seguintes premissas (ou pelo menos suspendeu sua descrença sobre elas):
Há apenas uma nova suposição que eu gostaria de fazer, uma bem sensata:
Mance saber esse único detalhe fornece uma pista impressionante para decifrar a Carta Rosa.
Agora vamos lá...

Primeiro parágrafo

Seu falso rei está morto, bastardo.
Isso significa que Stannis fingiu sua morte.
Ele e toda sua tropa foram esmagados em sete dias de batalha.
Isso diz mais ou menos a mesma coisa. Eu acredito que diz ainda mais, mas vou guardar para mais tarde.
Estou com a espada mágica dele.
Como parte da simulação de sua morte, a Luminífera de Stannis será levada para "Ramsay". Isso permite que os Boltons concluam que Stannis está morto, apesar haver uma quantidade limitada de outras evidências sobre isso.
Conte isso para a puta vermelha.
Literalmente, isso está instruindo Jon a contar a Melisandre. É muito interessante que Melisandre tenha implorado a Jon para 'envia-a para mim' depois de ler a carta, e o autor da carta está sugerindo exatamente a mesma coisa.
Coletivamente, o primeiro parágrafo parece um resumo dos principais detalhes: está dizendo que Stannis fingiu sua morte, provavelmente ganhou a batalha, mas que os Boltons estão convencidos da própria vitória. É muita informação de inteligência transmitida em um único parágrafo.
A linha sobre a espada é o que eu acredito ser um sinal a Melisandre para que começasse quaisquer próximos passos que ela tenha em mente (que serão discutidos posteriormente neste Manifesto).

Segundo parágrafo

Os amigos do seu falso rei estão mortos.
Isso significa que os aliados de Stannis também estão fingindo morte. Muito provavelmente, isso significa as tropas daqueles que viajam com Stannis. Por exemplo, Mors Papa-Corvos e seu bando de meninos verdes.
Suas cabeças estão sobre as muralhas de Winterfell.
Usar 'sobre' no sentido de estar perto de algo, isso significa que Mors está nas redondezas de Winterfell.
Venha vê-los, bastardo.
Esta é uma das várias provocações da carta, embora implique que Jon deveria viajar para Winterfell.
Seu falso rei mentiu, e você também. Você disse ao mundo que queimou o Rei-para-lá-da-Muralha.
[na versão brasileira, a frase começa com “Seu falso rei morreu, e o mesmo acontecerá com você”, uma tradução errada do texto original]
Este é o início do anúncio de que Mance Rayder está vivo. A parte em que o autor diz 'Você disse ao mundo' é muito semelhante ao que Mance disse a Jon: “Ele queimou o homem que tinha que queimar, para todo mundo ver. Fazemos o que temos que fazer, Snow. Até mesmo reis.” (ADWD, Jon VI)
Em vez disso, você o enviou para Winterfell, para roubar minha noiva.
Isso informa Jon e Melisandre que Mance terminou em Winterfell. Isso é importante porque, se você se lembra, Mance partiu originalmente para Vila Acidentada. Esta linha, portanto, confirma para onde Mance foi. Também revela que o autor conhecia a missão de Mance.
No todo, o parágrafo parece sugerir que Jon ou alguém precisa se juntar a Mors do lado de fora de Winterfell.
Este parágrafo declara ainda que Jon quebrou seus votos ajudando Stannis e Mance na tentativa de roubar Arya Stark. Isso é interessante porque Jon de fato não queria fazer isso, ele apenas queria resgatar Arya na estrada, presumindo que ela já tivesse escapado. O fato de a carta declarar esses detalhes mostra um esforço calculado para minar a honra e a legitimidade de Jon.

Terceiro parágrafo

Terei minha noiva de volta.
Isso nos diz claramente que “Arya” foi resgatada.
Se quer Mance Rayder de volta, venha buscá-lo. Eu o tenho em uma jaula, para que todo o Norte possa ver, a prova de suas mentiras.
Isso requer uma perspicaz (porém, simples) interpretação da falsa execução do próprio Mance.
Se assumirmos que minha teoria no Confronto nas Criptas está correta, duas observações podem ser feitas:
O acréscimo de ' prova de suas mentiras ' indica que Ramsay não está sob a magia de disfarce e, portanto, caso ele seja encontrado, isso arruinaria o truque.
Tudo isso somado, a implicação da frase dupla:
A jaula é fria, mas fiz um manto quente para ele, com as peles das seis putas que o seguiram até Winterfell.
Esta é uma referência à maneira como Melisandre disse que as seduções [glamors] funcionam: vestindo-se a sombra de outra pessoa como capa. Também parece uma possível alusão a usar a pele de outra pessoa, de acordo com o conto de Bael, o Bardo.
Na íntegra, o terceiro parágrafo parece deixar uma mensagem de que Mance conseguiu se disfarçar de Ramsay, que Ramsay está vivo como um prisioneiro nas criptas e que ninguém parece saber disso. Também pode significar que nenhuma das esposas de lança traiu seu segredo.

Quarto parágrafo

Ao contrário dos parágrafos anteriores, acredito que o quarto parágrafo é direcionado diretamente a Jon Snow. Melisandre pode saber o segredo por trás de seu conteúdo, mas este parágrafo foi elaborado para ter um efeito específico sobre Lorde Snow.
Quero minha noiva de volta. Quero a rainha do falso rei. Quero a filha deles e a bruxa vermelha. Quero sua princesa selvagem. Quero seu pequeno príncipe, o bebê selvagem. Quero meu Fedor.
Essas frases apresentam uma lista de demandas, muitas das quais Jon não tem capacidade de cumprir. Ele não tem permissão para enviar Selyse, Shireen, Melisandre, Val ou o filho de Mance para Winterfell.
Além disso, ele não tem ideia de quem é Fedor.
E independentemente da identidade de Ramsay (o real ou o disfarçado), ambos saberiam que Jon não tem ideia de quem é Fedor.
Esses pedidos colocaram Jon em uma posição tênue. A carta declara abertamente que Jon violou seus juramentos à Patrulha da Noite, participou de uma mentira quando colaborou para resgatar Arya usando Mance, o que também beneficiou a causa de Stannis.
Mande-os para mim, bastardo, e não incomodarei você e seus corvos negros. Fique com eles, e eu arrancarei seu coração bastardo e o comerei.
Esta ameaça sugere fortemente que Jon precisa cooperar ou ele será atacado. Considerando que os Boltons são aliados dos Lannisters, é razoável concluir que os Boltons também usariam a oportunidade para destruir as forças de Stannis em Castelo Negro e fazer muitos reféns.
A carta deixa claro: o envolvimento de Jon com Mance e Stannis resultou em uma ameaça à Muralha, à Patrulha da Noite e à família de Stannis e ao assento de poder.
Jon é então forçado a um dilema:
Em ambos os casos, ele está ferrado e proscrito como um violador de juramentos.
Então, por que Mance enviaria uma linguagem tão provocativa para Jon e Melisandre?
A resposta deriva de vários fatos, alguns dos quais serão discutidos posteriormente no Manifesto. Mas a resposta simples é esta:
O que posso dizer neste momento é que Mance, Melisandre e Stannis sabem que Jon estava disposto a violar seus votos quando era necessário servir à Patrulha da Noite (e por extensão aos sete reinos).
Forçando Jon a se tornar um violador de juramentos, Melisandre e Stannis são capazes de usá-lo de outras maneiras, particularmente de maneiras que não envolvem sua permanência na Patrulha.
Com que propósito Stannis e Melisandre usariam Jon Snow, o violador de juramentos?
Infelizmente para Jon, ele mesmo forneceu a Stannis o motivo para 'roubá-lo' da Patrulha da Noite.
Explicar melhor isso é um dos pontos principais do Volume III do Manifesto.

CONCLUSÕES

A carta como um todo parece ser coerente com as teorias que descrevi até agora, particularmente com o resultado do ‘confronto nas criptas’.
Como discuto nos apêndices, também é coerente com algumas interpretações reveladoras das visões de Melisandre.
Obviamente Melisandre acreditava que a Carta Rosa responderia às perguntas de Jon sobre Stannis, Arya e Mance, e a carta o fez. Ela pensou que isso o obrigaria a confiar nela.
Embora a Carta Rosa tenha respondido suas perguntas, ele ignorou tanto a carta quanto Melisandre quando se recusou a procurá-la e agiu por conta própria. Acredito que isso se deva em grande parte ao fato de ele não perceber que havia segredos no texto; ele entendeu a carta pelo significado literal.
Existem algumas grandes questões que permanecem abertas:
Além disso, parece que Melisandre queria um ou ambos das seguintes coisas:

IMPLICAÇÕES

As perguntas e conclusões que podemos fazer parecem sugerir que chegamos a um beco sem saída. De fato, se continuarmos a tentar entender as coisas pelo ângulo de Mance Rayder, será.
Se dermos um passo para trás e começarmos a investigar algumas das outras pistas, preocupações e mistérios em A Dança dos Dragões, surgem novas ideias que nos levam de volta a Mance e Stannis.
Para aguçar seu apetite, aqui estão as questões importantes, antes de avançarmos para o próximo volume do Manifesto:
Essas e outras perguntas são respondidas no próximo volume do Manifesto, ‘O Reino irá Tremer’.
E, finalmente, para terminar com algum floreio, aqui está uma passagem de A Dança dos Dragões:
O Donzela Tímida movia-se pela neblina como um homem cego tateando seu caminho em um salão desconhecido.
(ADWD, Tyrion V)
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.09.25 21:58 Vedovati_Pisos Como Domar Cavalos – O guia completo para iniciantes

Domar cavalos não é uma tarefa fácil e é recomendado que não se faça sozinho. O peso do animal e sua animosidade natural fazem com que a sua violência possa ser fatal para o homem.
Um coice de cavalo no local errado pode matar uma criança e até um homem de 100 quilos. Logo, todo cuidado é pouco.
Se você tem uma pequena ou grande fazenda, começa a fazer a incursão de cavalos em seus campos e tem dúvidas sobre como domá-los, saiba, há dois tipos de doma, a tradicional e racional.
O primeiro tipo de doma exige a velha agressividade, força e, muitas vezes, o uso da violência para poder domar o animal.
O segundo é uma forma mais racional de dominar o cavalo, usando racionalidade no lugar da violência. Em suma, tornar-se confiante para o cavalo é fundamental.
Segundo especialistas do ramo, a doma racional é mais eficaz do que a doma tradicional. Mas para isso é preciso que o dono use métodos para conquistar a confiança do cavalo e assim fazer com que ele siga suas ordens.
As técnicas para tanto são: criar exercícios que deixem claro na cabeça do cavalo a repetição de movimentos, de práticas que o façam ganhar tempo e o cansem ao ponto dele passar a obedecer os comandos.
É preciso aprender a entender o animal e trabalhar os comandos de acordo com essa percepção.
Os cavalos são animais que exercem certo fascínio em muitas pessoas, isso porque, além de muito bonitos, também proporcionam momentos incríveis de diversão e descontração. Porém, antes de sair cavalgando com o seu amigo, como nos filmes de Hollywood, é importante saber como domar os cavalos.
Antes que você pense que a doma é uma forma de domínio do animal saiba que se trata muito mais de ganhar a confiança dele do que de exercer algum poder sobre ele.
A técnica Horsemanship
Muitos estudos realizados com cavalos selvagens provaram que os animais aprendem muito mais facilmente seguindo sugestões de palavras chave do que sob coação ou maus tratos.
Essa técnica é conhecida como Horsemanship e forma cavalos mais dóceis e assim mais seguros para as pessoas.
A partir do momento que se desenvolve essa ideia de palavras chave no treinamento, o cavalo passa a gostar de trabalhar com conjunto com o cavaleiro.
Dessa forma, passa a realizar cada vez mais rápido e mais eficientemente o que lhe é pedido.
Esses bons resultados são vistos principalmente em cavalos de competição.
Quando eles se sentem parte do processo de vitória passam a obedecer os comandos de maneira mais inteligente. A forma como essa doma é realizada está baseada no entendimento dos instintos dos animais.
Os instintos de movimentos podem ser conduzidos através de indicações de palavras chave.
Esse tipo de doma é realizado através do reforço de ideias, ou seja, de repetir sempre ações acompanhadas de palavras.
Poderíamos definir como um treinamento como o dos cães que a partir de palavras obedecem a comandos. Apesar de ser um método relativamente mais lento de doma compensa muito, pois se pode ter a certeza de a longo prazo ter conquisto a confiança e amabilidade do animal.
Lembre-se sempre que se você transmite confiança terá um animal confiante, mas se transmitir agressividade terá um animal agressivo.
Primeiros passos para domar um cavalo
Ganhe a confiança do cavalo
Desenvolver uma relação estreita com o cavalo é essencial para ganhar sua confiança, o que favorecerá a doma mais tarde.
Passe algum tempo com o cavalo todos os dias. No início, apenas fique perto dele e escove seu pelo.
A escovação do pelo conecta o cavalo ao dono, fortalecendo o vínculo entre os dois. Deixe-o por perto enquanto você trabalha no pasto — assim, ele aprenderá a confiar em você.
Converse com ele e conforte-o sempre que ele se assustar com alguma coisa.
• Cavalos são presas na natureza, o que explica a facilidade com que se assustam. Se seu cavalo não conviver com pessoas desde o nascimento, tenderá a ter medo delas.
• Ainda que o cavalo ou potro seja jovem demais para ser treinado, você pode conviver com ele para ganhar sua confiança e acostumá-lo à presença de outras pessoas.
• Antes de começar o treinamento, passe um bom tempo junto do animal para ganhar sua confiança.
A segurança vem em primeiro lugar
Cavalos são animais poderosos, podem ferir pessoas gravemente. Sempre que estiver treinando seu animal, lembre-se de tomar algumas precauções para garantir sua segurança. Procure ficar dentro do campo de vista dele na maior parte do tempo. Quando for necessário ir aonde ele não possa vê-lo, vá correndo a mão ao longo do corpo dele, a fim de que ele não perca a referência da sua posição.
• A posição mais segura para se estar é ao lado esquerdo, alinhado à orelha e perto da cabeça do cavalo. Nesse lugar, ele o enxergará facilmente.
• Converse com o animal sempre que estiver fora do campo de vista dele. Isso o ajuda a saber onde você está.
• Não passe por trás do cavalo e nem fique parado à frente da cabeça dele.
• Não se ajoelhe e nem fique sentado perto do cavalo. Quando for necessário mexer nos cascos dele, curve-se para a frente em vez de se agachar
Dê um passo de cada vez
Domar um cavalo é um processo demorado — cada etapa tem de ser totalmente concluída antes que se possa começar a próxima.
Cada novo comando que o cavalo aprende deve ter alguma relação com o anterior.
Lembre-se de que o objetivo do treinamento é fazer com que o animal fixe novos hábitos.
De outro modo, o treinamento não será bem-sucedido.
• Nunca desista. O cavalo aceitará certas etapas do treinamento melhor que outras. Quando se começa a treinar um cavalo, você está assumindo um compromisso enorme.
• Encerre cada lição com um sucesso. Termine cada sessão logo após um progresso, por menor que seja — como conseguir pôr o cabresto perto da cabeça do cavalo.
Nunca fique irritado com o cavalo
Jamais grite, agrida, atire objetos ou seja agressivo com o animal. Isso poderia assustá-lo e desfazer a confiança que você conquistou tão arduamente. Converse com o cavalo num tom de voz calmo e baixo.
• Se o cavalo desobedecer às suas ordens, corrija-o com calma, sem demonstrar agressividade. Faça um som de “shhh” para sinalizar ao animal que ele fez algo de errado.
Recompense cada sucesso
Reforços positivos, como petiscos e carinho, fazem com que o cavalo o obedeça mais facilmente.
Reforços negativos, como um empurrão com os dedos ou um tapinha, também podem ser empregados, desde que isso não cause medo no animal.
Se você estiver montado, pode puxar as rédeas ou pressionar o animal com as pernas levemente.
• Jamais use reforços negativos que amedrontem ou causem dor. Além do mais, tais reforços devem ser constantes e firmes, nunca abruptos. Mantenha o gesto negativo até que o cavalo se corrija e pare imediatamente após ele realizar o comando corretamente.
Treinando o cavalo para aceitar o cabresto
Habitue o animal às suas mãos
O primeiro passo para pôr o cabresto no cavalo é acostumá-lo a ter as mãos do dono em sua cabeça, orelhas e pescoço.
Faça isso lentamente. Nunca saia do campo de vista do animal e não o assuste.
Eleve as mãos até ele lentamente — o cavalo se sentirá ameaçado se suas mãos se aproximarem muito rápido.
Repita esse procedimento até que você possa tocar o animal sem problemas.
Faça elogios sempre que o cavalo obtiver alguma melhora. Até as melhoras que parecem insignificantes, como conseguir aproximar a mão mais alguns centímetros do rosto do cavalo ou tocá-lo por alguns segundos, precisam ser elogiadas.
Recompense cada sucesso do cavalo com petiscos.
Acostume o cavalo ao cabresto
No início, deixe-o ver e farejar o cabresto nas suas mãos. Faça isso por alguns dias, com a intenção de que o cavalo reconheça que o objeto não é perigoso.
O próximo estágio é colocar o cabresto sobre a cabeça e o focinho do animal, sem afivelá-lo. Quando, por fim, o cavalo parecer confortável assim, você poderá afivelar o cabresto.
• Talvez isso exija várias tentativas. Seja calmo e paciente, tentando progredir um pouco a cada dia.
• Quando for possível prender o cabresto, deixe-o na cabeça do cavalo por alguns dias.
Apresente as rédeas ao cavalo
Comece a habituá-lo a elas juntamente com o cabresto, também colocando-as no rosto do animal.
Com muita delicadeza, tente lograr o cavalo a abrir a boca para receber o freio.

Ponha o freio
Além das rédeas, o bicho também tem de se familiarizar com o freio.
Lentamente, coloque-o na boca do animal. No início, deixe-o lá por apenas alguns minutos, e vá aumentando esse período gradativamente.
• Colocar melado no freio é um modo de estimular o cavalo a aceitá-lo e de tornar a experiência mais agradável para ele.
Ponha a coroa do freio
Uma vez que o freio possa ser colocado sem resistência por parte do cavalo, coloque a coroa do freio. Não afivele as tiras por enquanto.
Acostume o cavalo ao novo objeto até que você possa afivelar as tiras. Lembre-se de que isso só deve acontecer depois que o animal deixar de estranhar a sensação da coroa em sua cabeça e orelhas.
Ensinando o cavalo a charretear
O que é o charreteado
O charreteado é o processo em que o treinador conduz o cavalo por uma arena com a intenção de consolidar o domínio sobre ele. Também conhecido como doma de baixo, o charreteado permite ao treinador conduzir o cavalo por uma arena durante o treinamento.
Treine o cavalo do chão
Antes de montar no animal, ganhe a confiança dele no chão.
Prenda uma corda ao cabresto. Puxar a corda muito abruptamente também pode causar desconforto.
Lembre-se de que o cavalo passará a temer o charreteado se sentir desconforto ou dor.
• Mova o corpo junto com o cavalo para que a tensão da corda seja sempre homogênea. Eventualmente, o animal se acostumará a ir para onde é guiado em vez de puxar a corda.
Charreteie o cavalo
Ao charretear o cavalo, faça com que ele siga uma trajetória circular com o maior raio possível, uma vez que um círculo pequeno poderia provocar lesões nas pernas, ligamentos e tendões do cavalo.
O diâmetro do círculo deve ser de, pelo menos, 18m. Procure fazê-lo pelo menos uma vez ao dia, sempre usando a linguagem corporal para direcioná-lo e controlar sua velocidade.
Com o passar do tempo, faça com que o cavalo galope numa velocidade cada vez maior, até que ele possa trotar apenas se guiando por seus comandos.
• Se possível, pratique o exercício acompanhado de alguém experiente com cavalos. Peça a ele para ficar atrás ou perto de você. Sempre que o cavalo fechar o círculo, a pessoa deverá caminhar na direção dele até que ele retome a trajetória normal.
• Nunca toque o animal durante o charreteado: todos os comandos devem ser dados através da corda e da linguagem corporal.
• O charreteado é um exercício de confiança: a cada vez que o cavalo fizer o que se espera dele, interrompa o contato visual e diminua a pressão exercida nele.
• Não faça o cavalo andar na mesma direção por mais do que 10 minutos consecutivos. Uma vez que essa atividade exige muito do corpo do animal, ele terá de praticar muito antes que possa andar por períodos mais longos.
• O charreteado não deve demorar mais do que 15 ou 20 minutos.
Treine o cavalo para obedecer comandos
Ensine-o a andar ao seu lado apropriadamente enquanto você o conduz com uma corda.
À medida que ele anda em círculos à sua volta, transmita a ele alguns comandos de voz.
Ensine as palavras “pare”, “fique”, “ande” e “volte”.
Priorize os comandos de parar e andar antes de passar para os seguintes. Ao fim desta etapa, você poderá ensinar comandos mais rápidos, como o “trote”.
• Evite usar comandos muito parecidos, como é o caso de “trote” e “volte”. O cavalo pode ficar confuso, uma vez que o som de tais palavras é tão similar.
• Se quiser, substitua “volte” por “recuar”.
• O “ôa!”, som utilizado para que o cavalo pare ou desacelere, deve ser empregado apenas quando você estiver montado.
Ensine o animal a respeitar seu espaço
Durante o treino, o cavalo colocará a superioridade do treinador à prova.
Para disputar a liderança com você, o cavalo poderá empurrá-lo com o ombro.
Em tais situações, você deve mostrar que é o líder: se o cavalo se aproximar de você, pressione as costelas dele, a cerca de 30cm do ombro.
Os líderes de manadas selvagens investem contra essa região para repreender os outros cavalos. O animal deverá se deslocar para o lado e dar a você algum espaço.
Ensine ao cavalo como responder à pressão
Ela é transmitida ao cavalo através do cabresto, então prenda uma corda a essa peça e pare à direita dele, perto de sua orelha e olhando na mesma direção que ele.
Segure a corda a alguns centímetros do grampo. Puxe-a para a direita, para longe de você; o cavalo eventualmente cederá à pressão e virará a cabeça para a direita.
Assim que ele o fizer, libere a pressão da corda e ofereça alguma recompensa.
• Repita o processo do lado esquerdo. Puxe a corda para longe do corpo do animal e ele deverá virar a cabeça para a esquerda.
• Depois de ensinar o truque em ambos lados, o cavalo aprenderá a olhar na sua direção.
• Repita o processo à frente e atrás do cavalo.
• O cavalo aprenderá a deslocar a cabeça na direção de onde a corda é puxada para diminuir a pressão no cabresto.
Treinando o cavalo para aceitar a sela
Apresente a sela
O cavalo deverá se familiarizar com o peso e o som da sela em seu lombo. Assim como fizera com o cabresto e com o freio, dê ao cavalo um certo tempo para se acostumar com o som, o cheiro e a aparência da sela.
Uma vez que ele esteja acostumado ao objeto, segure a sela acima do lombo do animal, sem deixar que ela toque nele.
Ponha o baixeiro ou a manta no lombo do cavalo
Quando ele deixar de estranhar a sela, coloque o baixeiro no lombo do cavalo e deixe-o lá por alguns minutos. Caso a reação do cavalo seja positiva, tire o baixeiro de lá.
Repita o processo várias vezes e de ambos os lados para que o cavalo se acostume a ser selado de ambas maneiras.
• Se o cavalo ficar apavorado a ponto de a situação fugir do controle, remova o baixeiro rapidamente e tente de novo quando ele estiver mais calmo.
• Se você quer um tipo de sela mais bonito, recomenda-se o uso do baixeiro, que costuma ter um acabamento melhor do que a manta. No entanto, ele é menos confortável, e portanto deve ser apresentado ao animal junto com a sela. Se a sela se ajusta perfeitamente ao lombo do cavalo, o uso da manta ou do baixeiro é dispensável.
Ponha a sela no cavalo
Apresente a sela pacientemente, sempre acariciando e falando com o cavalo para acalmá-lo.
Deixe a peça por apenas alguns minutos, depois a remova. Repita o processo em ambos lados do cavalo.
• Nesta etapa, remova todas as tralhas e ferragens da sela.
Afivele o látego no cavalo lentamente
Aperte o látego um pouco mais a cada dia, especialmente se o cavalo parece inquieto. Caso o animal ainda esteja muito apavorado, solte o látego e volte a deixar a sela desamarrada no lombo do cavalo.
• Quando o cavalo permitir que o látego seja completamente afivelado, incline-se contra o corpo do cavalo, apoiando-se nele.
Habitue o cavalo aos estribos
Faça o charreteado com a sela e os estribos. Isso ajudará o cavalo a se acostumar com a sensação de carregar tais objetos. Além disso, comece a colocar os outros acessórios na sela.
• Realize cada etapa do processo lentamente. Sempre espere o cavalo perder o medo de um elemento da sela antes de introduzir outro, e nunca adicione mais de um elemento de uma vez.
Charreteie com a sela
Exercite o animal selado quando ele for capaz de permanecer assim por longos períodos.
Treinando o cavalo para ser montado
Prepare o cavalo para a montaria
Até aqui, você interagiu com o cavalo do chão, no nível dos olhos dele. Leve o cavalo para perto de algo em que você possa subir, como uma cerca de madeira.
Escale o objeto até ficar numa altura acima da cabeça do cavalo.
Ponha peso no lombo do animal
Peça ajuda de um cavaleiro experiente para ensinar o cavalo a se acostumar ao peso de uma pessoa.
Num primeiro momento, o cavaleiro deve apenas se debruçar sobre a sela (em vez de se sentar nela).
Peça que ele faça isso com gentileza para que o cavalo não se assuste.
• Quando o cavalo aceitar o peso, acaricie-o e recompense-o.
Peça que o cavaleiro monte no cavalo
Em primeiro lugar, o cavaleiro deve pôr seu pé esquerdo no estribo. O próximo passo é passar o outro pé por cima do animal, sem chutá-lo, e sem impor uma pressão desigual em seu lombo, para depois encaixar o pé direito no outro estribo.

• O cavaleiro deve ficar curvado todo o tempo, uma vez que o cavalo se espantaria caso o enxergasse. Além do que, a pessoa deve se apoiar na sela e não nas rédeas, uma vez que isso também poderia assustar o animal.
Cavalgue lentamente
Com o cavaleiro montado, conduza o cavalo devagar. Aos poucos, afaste-se do animal.
Peça que o cavaleiro apanhe as rédeas e puxe-as devagar e com cuidado, a fim de que o cavalo não se assuste. Para que o cavalo comece a andar, ele deverá dar um comando verbal e apertá-lo levemente com as pernas.
Tente montar
Agora que um cavaleiro experiente sondou o terreno, é a sua vez de montar.
Montar um cavalo pela primeira vez pode ser perigoso e só deve ser feito com a supervisão de um domador ou cavaleiro profissional. Suba com cuidado, evitando chutar o lombo do cavalo ou puxar as rédeas. Ande com o animal por alguns passos, pare e desça.
• Aumente gradativamente o período em que você permanece montado ao longo das próximas semanas ou meses. Só tente cavalgar rapidamente depois que o cavalo parecer confortável andando em velocidade normal.
• Pode ser necessário um ano de treinamento (ou mais) até que você possa trotar e andar a galope com o animal em questão. Não tente acelerar o processo, já que isso poderia levar o cavalo a desenvolver medos ou vícios.
Dicas úteis
• Use comandos de uma palavra e use a mesma palavra sempre para que o cavalo não fique confuso.
• Tranquilize o cavalo se ele abaixar as orelhas ou se demonstrar outros sinais de medo.Alguns cavalos toleram sessões de treinamento mais longas que outros. Aprenda a detectar os sinais que seu cavalo emite quando está cansado.
• Faça exercícios de aquecimento antes da sessão de treinamento e, ao final dela, faça exercícios de relaxamento.
• Antes de apresentar um novo comando, pratique e reveja aqueles que o cavalo já domina e use-os como base para o comando a ser ensinado.
• Antes de montar no animal pela primeira vez, salte para o alto algumas vezes ao lado dele. Depois de saltar, dê uns tapinhas leves na sela. Desse modo, ele não se assustará quando você subir nele.
• O cavalo precisa saber quem é que manda: se ele se recusar a executar algum comando, não interrompa a sessão. Isso daria ao animal a impressão de que ele pode abandonar o treinamento quando quiser.
• É improvável que você venha a domar o cavalo se não possui experiência. É melhor pagar um domador do que se arriscar a levar um coice ou ser pisoteado.
Avisos
• Cavalos leem os sinais que transmitimos através de nossas emoções e linguagem corporal. Se você ficar tenso e ansioso, o cavalo também ficará.
• Fique alerta e preste atenção à linguagem corporal. Quando notar que o cavalo está de orelhas abaixadas ou batendo as patas dianteiras no chão, acalme-o. Se a sessão tiver durado muito tempo ou se o animal parecer irritado, em pânico ou confuso, faça uma pausa. Lembre-se de que a doma do cavalo requer paciência, não força bruta.
• Nenhum cavalo pode ser montado antes dos dois anos de idade. Montá-lo antes disso pode deixá-lo lesionado para o resto da vida.
• Seja cuidadoso quando o cavalo estiver de orelhas abaixadas. É normal que o cavalo vire as orelhas para trás — isso apenas indica que ele está prestando atenção ao que se passa atrás de si. As orelhas abaixadas, por outro lado, denotam medo e agressividade — que pode se voltar contra você ou contra outros cavalos.

https://www.vedovatipisos.com.bnoticias-artigos/domar-cavalos/
submitted by Vedovati_Pisos to u/Vedovati_Pisos [link] [comments]


2020.09.25 20:23 Vedovati_Pisos Transporte de cavalos – Tudo o que você precisa saber!

Nem todos os cavalos necessitam viajar, mas pelos menos uma vez na vida é provável que seja necessário, seja para ir ao veterinário, uma exposição ou mudar de dono.
Seja qual for o motivo, é preciso tomar todos os cuidados e precauções para garantir que a viajem seja tranquila e confortável para seu amigo equino.
Transportar seu cavalo de um lugar para outro não é uma tarefa simples. Diferente de um gato ou cachorro que cabem confortavelmente dentro do seu carro, o cavalo exige um veículo próprio ou um trailer para ser transportado por longas distâncias.
Em média os cavalos perdem 1 a 2 kg a cada hora de viagem em tempo frio, e estes valores podem agravar em temperaturas maiores.
Os cavalos podem também sofrer de supressão do sistema imunológico, complicações respiratórias causadas pela depuração diminuída de poeira, desidratação, recusa alimentar, pleuropneumonia e cólica.
Também podem ocorrer lesões provenientes de falhas ao treinar e conduzir adequadamente o equino para o veículo – seja um trailer, caminhão ou outro transporte.
Como treinar e conduzir o cavalo para o transporte
É apenas uma questão de investir tempo e vontade para ensinar ao cavalo uma forma que ele possa entender melhor e aceitar esse conceito.
Se colocarmos esse assunto numa perspectiva de tentativa e erro, lembre-se: se o “Plano A” não funcionou, existem outras letras no alfabeto.
As duas coisas mais importantes a lembrar são paciência e não ficar preso em um método ou abordagem. Para reforçar qualquer lição, ela deva ser praticada para que o cavalo compreenda o que se espera dele.
Os cavalos reagem aos estímulos de maneira diferente dos humanos. Um cavalo nunca esquece algo que o assusta.
O melhor que podemos fazer é ajudá-lo a administrar o medo, então é melhor evitar assustá-lo em primeiro lugar do que tentar corrigir o efeito mais tarde.
A primeira experiência de um cavalo com algo deve ser positiva, o que cria confiança para futuros ensinamentos. De longe, a parte mais estressante do transporte para um “novato” é a fazer o cavalo entrar no trailer, por isso, é essencial eliminar o máximo possível todo o stress dessa parte.
Como preparar o cavalo
Ir habituando o cavalo a entrar e sair do atrelado ou vagão, mesmo que não o pretenda transportar, permite que o cavalo ganhe confiança e fique mais tranquilo.
Este método torna-se bastante eficaz se houver uma emergência e não houver tempo para calmamente familiarizar o cavalo com o atrelado/vagão.
Além deste trabalho que incide sobretudo no comportamento do cavalo, deve-se também proteger as partes mais vulneráveis do animal, (as pernas e a nuca).
Existem equipamentos especiais para viagens que protege a parte inferior das pernas do cavalo, mas o animal deve ser previamente habituado a ele no estábulo.
O cavalo pode ser coberto para que se mantenha quente, mas não deve transpirar. É importante que tudo esteja bem seguro, uma vez que o cavalo se pode assustar caso algo caia ou bata nas paredes.
Alimente o cavalo com feno encharcado durante a viagem também para fornecer água adicional e evitar a desidratação e cólicas.
Expectativas realistas
Em um mundo ideal, todo cavalo já teria confiança suficiente em nós para que possamos levá-los para qualquer lugar.
Um equívoco comum é que, se o cavalo entrou no trailer ontem, ele deveria entrar de novo hoje.
Alguns cavalos podem entrar, outros não. Espere pequenos contratempos e ignore-os em vez de castigar o cavalo por ter se comportado mal.
Se a última sessão de transporte foi boa, mas hoje o cavalo tem dúvidas, dar um passo atrás para recomeçar tudo novamente não é uma derrota. É apenas dar ao cavalo outra chance de verificar a confiança que ele tem em você.
A maneira mais eficaz de minimizar esses contratempos é através de uma prática consistente.
Não é diferente de qualquer outro exercício de treinamento, a repetição permite que o cavalo identifique a rotina, determine o que queremos e teste nossa resposta para ver se ele está fazendo o que pedimos.
Pense cuidadosamente nessa última parte. Você estará ao lado de uma das criaturas mais perceptivas do planeta. Tudo o que você faz, tudo o que seu corpo faz, a forma como você respira e para onde você olha está sendo avaliado pelo cavalo.
Entendendo como o cavalo vê as coisas
A percepção da profundidade do cavalo não é tão aguda como a nossa; embora eles geralmente possam discernir os detalhes em distâncias muito maiores do que nós, eles não conseguem determinar exatamente a distância de algo.
É por isso que eles abordam ‘coisas novas’ lentamente e, também, por que precisam parar e olhar para a rampa ou o acesso de um trailer. É também por isso que eles se podem se assustar com algo que esteja ao lado deles ou a um metro de distância, ou amassá-lo contra uma parede enquanto andam.
Eles não são cegos ou bobos – eles simplesmente não enxergam as coisas da maneira que nós enxergamos.
Os cavalos também veem detalhes que muitas vezes nós não percebemos: um carrinho de mão colocado a poucos centímetros de distância de onde estava ontem, um visitante vestindo um chapéu diferente ou um aroma sutil na brisa é o suficiente para colocar muitos cavalos em alerta.
A imagem da visão do cavalo abaixo fornece algumas pistas sobre o que os cavalos podem e não podem ver.
Observe a área grande e cega diretamente atrás do cavalo e a menor, imediatamente em frente ao focinho.
A visão binocular do cavalo (capacidade de ver simultaneamente com os dois olhos) é limitada a um campo estreito diretamente na frente da cabeça.
Manter esses atributos em mente pode a ajudar o cavalo a ver o que vemos, e nos permite prever que situações podem provocar um susto.
Note as regiões monoculares excessivamente grandes de cada lado da cabeça do cavalo.
O cavalo é capaz de coletar sinais audíveis e visuais de ambos os lados simultaneamente.
Esta informação é processada diretamente do olho ou da orelha, o que significa literalmente que o cavalo consegue enxergar os dois lados da cabeça ao mesmo tempo e avaliar esta informação de forma independente. Então, se o seu cavalo se assusta com algo, tente olhar do outro lado, ele pode ter visto algo que você não viu.
Cuidados no transporte
Isso pode parecer básico, mas nunca tente conduzir um cavalo para um reboque que não esteja devidamente engatado em um veículo apropriado.
Ao transportar um cavalo deve ter uma condução segura, evitando acelerar ou frear bruscamente.
Não deve viajar com tempo quente a não ser que seja absolutamente necessário. No verão é mais vantajoso iniciar a viagem com o nascer do sol ou já ao fim da tarde para evitar as horas de mais calor.
É importante que o cavalo se mantenha hidratado. Não faça paradas em que não retire o cavalo do atrelado ou vagão, ou pelo menos evite, uma vez que imobilizado, tanto o atrelado como o vagão têm tendência a sobreaquecer.
Aqui estão alguns passos essenciais para a colocar o cavalo no trailer:
• O cavalo deve, pelo menos, respeitar seu espaço o suficiente para não interferir nele. Se você não consegue controlar o cavalo no chão, então está procurando problemas ao tentar colocá-lo em uma pequena caixa de lata.
• O condutor deve ter a confiança para levar o cavalo para onde ele quiser e poder fazer o animal ficar parado. Se você não tem as qualidades para ser o “chefe”, então encontre alguém que tenha. Qualquer coisa menos do que isso é perigosa para você e para o cavalo.
• Deixe seu relógio no bolso. Subconscientemente, nós transferimos nossas restrições de tempo para o cavalo, o que atrapalha a confiança do animal em você.
• O melhor cenário é estacionar o trailer em uma arena ou um espaço grande, mas cercado. A ideia é mostrar ao cavalo que ele tem um escape se sentir medo – mas o espaço deve ser relativamente restrito no caso de algo sair errado.
• O piso do trailer ou do caminhão deve ser emborrachado para dar mais conforto e segurança ao cavalo durante o transporte. Ele já estará confinando, então tudo o que você puder fazer para amenizar o stress, ajudará muito.
• Paciência, paciência, paciência. Se você não tiver isso, faça o projeto para alguém que seja tolerante o suficiente para fazer o primeiro passo direto.
Existem muitas formas e técnicas de fazer o cavalo entrar no trailer ou caminhão.
Você deve encontrar a que funciona melhor para o seu cavalo. Como dissemos antes, a repetição e prática ajudam a tornar essa tarefa cada vez mais fácil, aumentando a confiança do cavalo em você.
10 dicas para transportar seu cavalo sozinho
Na maioria das vezes, a ajuda de outras pessoas é necessária – seja de toda uma equipe ou de amigos, do cuidador, do veterinário ou do próprio dono (no caso de você estar transportando o cavalo de outra pessoa). Além disso, é preciso checar vários fatores para que o transporte seja feito com segurança, como as condições do veículo até a saúde do cavalo.
Mas e se você precisar transportar o seu cavalo e não tiver ninguém disponível para lhe ajudar nesse momento específico?
A boa notícia é que você mesmo pode fazer tudo, se seguir essas 10 dicas para transportar seu cavalo sozinho.
1 – Mantenha a revisão e manutenção do seu veículo em dia
No dia da viagem, certifique-se de que esteja com o tanque cheio. E dias antes, faça uma revisão geral no veículo – seja no seu caminhão ou no trailer do cavalo. Eixos, pneus, óleo, etc. Ou seja, tudo o que você olharia se fosse fazer uma viajem comum. Leve também equipamentos e peças sobressalentes como cabos, correntes, kit de primeiros socorros, etc.
Importante: É preciso sempre pensar na segurança e no conforto do cavalo durante o percurso. O transporte de cavalos exige uma série de cuidados especiais. É preciso atentar para o tempo em que o equino ficará embarcado, respeitando as limitações do animal. Se em boas condições de viagem, os animais podem suportar cerca de 20 horas de viagem sem paradas, lembrando que, quanto mais tempo embarcado, mais o animal apresentará problemas, como estresse.
Para oferecer mais segurança e conforto no transporte do seu cavalo, opte por pisos emborrachados no seu caminhão, trailer ou reboque. Eles eliminam a serragem, areia e maravalha; são antiderrapantes e seguros; são confortáveis, macios e flexíveis; além de duráveis e resistentes.
Esses cuidados lhe darão a paz necessária para fazer o transporte do seu cavalo com confiança.
2 – Faça um checklist de todos os seus equipamentos
Todos nós temos aquela sensação desagradável de termos esquecido alguma coisa importante enquanto viajamos. Numa viagem com amigos ou com a família, você consegue substituir ou comprar novos itens. Mas quando se trata de viajar com seu cavalo, pode ser mais difícil encontrar algum equipamento ou ferramenta específicos. Por isso, faça uma lista de todos os itens que você deve levar durante o transporte. Tire um tempo para verificar cada item da lista e ter a certeza de que está levando todos eles. Obviamente, leve todas as documentações (sua e do seu cavalo).
3 – Conheça bem a rota da viagem e as alternativas
Em tempos de GPS e Waze, viajar de carro tornou-se uma tarefa mais exata, evitando que você se perca. Porém, é bom não confiar 100% nos seus dispositivos eletrônicos, pois eles não são infalíveis. Procure levar com você um mapa do trajeto e tente estudar bem o caminho e rotas alternativas antes de viajar. Dar uma olhada no local e no percurso pelo Google Street View ajuda a memorizar alguns pontos de referência visuais que o GPS não mostra, o que lhe garantirá mais segurança enquanto estiver dirigindo.
4 – Leve kits de primeiros socorros para você e para seu cavalo
Sabemos que esses dois itens são obrigatórios em qualquer viagem, mas, ao viajar sozinho com seu cavalo eles são ainda mais importantes. Certifique-se de que todos os itens estejam dentro da validade e prontos para o uso caso precise deles. Especialmente importante para seu cavalo: você precisa ser capaz de administrar ou aplicar qualquer item ou medicamento do kit no animal. Por isso, é bom conversar com o veterinário antes de viajar para aprender a usar corretamente todos os itens de forma correta e segura.
5 – Leve um carregador de bateria para seu celular
Ao transportar seu cavalo sozinho, o telefone celular é mais do que uma mera conveniência; ele pode significar a diferença entre uma resposta rápida para uma emergência ou ficar preso com seu cavalo por horas. Antes de iniciar a viagem certifique-se de que a bateria do seu celular totalmente carregada. Lembre-se de que usar o GPS do celular consome a bateria rapidamente, então é bom mantê-lo ligado ao carregador do veículo durante o uso e, também, levar com você uma (ou mais) bateria recarregável, conhecidas como ‘power banks’.
6 – Estabeleça um tempo razoável
Procure ter bastante tempo para se preparar para a viagem. Sem a ajuda de amigos, você descobrirá que muitos dos itens do seu checklist demoram mais para serem completados. Por isso, é importante ter tempo para preparar o veículo e cuidar do cavalo com calma. Nada deve ser feito às pressas. Verifique várias vezes seu checklist para se certificar de que nada tenha passado despercebido.
7 – Tente se antecipar aos problemas
É claro que você não faria uma viajem sozinho com seu cavalo se não tivesse certeza de que é capaz disso. Mas existem outras tarefas que podem precisar da sua atenção na estrada. Você é capaz de trocar o pneu do trailer sem ajuda? Você sabe como aplicar corretamente os jumpers para recarregar uma bateria? Procure se antecipar a eventuais problemas que possam ocorrer no trajeto e tenha certeza de que você é capaz de lidar com cada um deles.
8 – Escolha alguém para manter contato
Compartilhe sua agenda e o trajeto da viagem com uma pessoa de confiança – seja alguém da sua casa, da fazenda ou do haras. Se essa pessoa souber seu horário de partida e a previsão de chegada no destino, ela saberá que algo pode estar errado caso você não responda em intervalos de tempo pré-determinados. Por exemplo, vocês podem combinar de mandar apenas um “alô” pelo celular de hora em hora, dependendo do tempo do percurso, para avisar que tudo está dentro do planejado.
9 – Reduza sua programação
Considerando que você não terá ajuda, tome cuidado para não se estender demais. Se, por exemplo, você estiver indo para uma competição de equitação, tente não participar de muitas modalidades. Se a sua viagem de volta estiver marcada para o mesmo dia, você não pode estar cansado demais para dirigir. Além disso, seu cavalo também estará cansado e a viagem de volta pode ser estressante para ele.
10 – Use essa oportunidade para fazer novos amigos
As oportunidades de socializar em eventos de cavalos são um dos atrativos para os criadores e cavaleiros. Você poderá encontrar outras pessoas que também viajaram sozinhas com seus cavalos e poderão trocar dicas e experiências. Ao oferecer sua ajuda, você fará novos amigos e poderá encontrá-los em eventos futuros.
Transportar seu cavalo sozinho é uma tarefa cansativa e exigirá muita atenção e cuidado – tanto com animal quanto com você mesmo. Porém, essa também é uma atividade que aumentará a sua confiança e estreitará mais os laços entre você e seu cavalo.
Cuidados especiais em viagens longas
É muito importante cuidar com o tempo em que o ficará embarcado, respeitando as limitações do animal.
Geralmente, se em boas condições de viagem, os cavalos podem suportar cerca de 20 horas de viagem sem paradas. Lembrando que, quanto mais tempo embarcado, mais o animal apresentará problemas, como stress.
Deve-se levar o cavalo ao veterinário para um check-up completo. Qualquer doença que o cavalo tenha, tende a agravar-se durante viagens longas.
Quando chegar ao destino, vigie o estado do cavalo e leve-o a um médico veterinário para que os pulmões possam ser observados.
A pleuropneumonia é risco comum em viagens de longa distância, esta infecção pode ser fatal. Além disso, dê algum tempo ao cavalo para que este possa se acostumar com o novo local.
Se a vigem foi longa, o cavalo pode demorar alguns dias para recuperar o peso que perdeu.
Mesmo depois de uma viagem curta, não há nada melhor a um cavalo do que algum tempo no campo.

https://www.vedovatipisos.com.bnoticias-artigos/transporte-de-cavalos/
submitted by Vedovati_Pisos to u/Vedovati_Pisos [link] [comments]


2020.09.24 05:05 DrackNael Capítulo 6 Traição no palácio

Traição no palácio

Quando Ulter Pendragon foi morto na batalha das planicies cinzentas, Camelot se viu em uma situação dificil, pois seu Rei havia morrido e o herdeiro recém havia nascido e não poderia governar até a maior idade, aos 16 anos, então só restou a Nero irmão mais novo de Ulter e também Lord de Praven, ficar como regente do reino até Artur assumir o trono, então com o reino sobre seu comando Nero decidiu dividir Camelot em duas, transformando Praven na capital de Camelot do leste, um ato que fora justificado para que pudesse governar melhor o reino da sua capital, e a cidade de Camelot pudesse governar melhor as terras do oeste, que ficaram então responsáveis por Merlin o tutor de Artur.
Mas agora que Artur havia feito 16 anos, Nero havia o convidado para se dirigir a Praven onde ia dar um banquete em comemoração ao futuro rei antes da sua coroação em Camelot no mês que vem, então Artur preparou uma comitiva real e se dirigiu a praven no litoral leste das terras de Camelot, uma viagem de 7 dias. A viagem ocorrerá bem todo o caminho e a comitiva chegou em segurança em Praven. Onde Nero os estava aguardando, com os preparativos do banquete sendo feitos.
Depois de todos instalados em seus aposentos, Artur é convidado por Nero a ir ao seu encontro em seu escritório.
-Então como está o futuro rei do mundo? -, Diz Nero abrindo os braços para dar um abraço no rapaz enquanto sai detrás da sua mesa.
-Estou bem tio, mas acho que rei do mundo é um pouco de exagero, não? -, diz o jovem terminando de abraçar seu tio, e se dirigindo para sentar em uma das cadeiras na frente da mesa.
-Exagero? Claro que não você sera o homem mais poderoso do mundo, todos irão temer você, quem sabe pode até mesmo guiar uma campanha contra os bárbaros do norte e usá-los de exemplo! -, diz o homem enquanto se dirigi para se servir uma bebida em uma mesinha junto da parede.
-Não quero governar pelo medo tio, já havíamos conversado sobre isso antes, quando pediu minhas tropas para guerras no norte, quero meu povo feliz e vivo! -, diz o príncipe.
-O mundo não é um grande arco-iris Artur um dia você vera isso, só espero que não seja tarde demais dai! -, diz o homem enquanto se ajeita na cadeira.
-Eu sei, o senhor já me disse isso antes, não sou ingênuo, e não estou sozinho, tenho grandes pessoas do meu lado! -, diz o jovem, não gostando do assunto da conversa.
-Assim espero meu sobrinho! -, diz o homem enquanto da um grande gole em sua bebida.
-Bom irei pros meus aposentos descansar, sabe quando os preparativos do banquete estarão prontos? -, pergunta o rapaz enquanto se levanta para se retirar.
-Não sei ao certo, um dia a mais outro a menos, quando estiver lhe aviso não se preocupe! -, diz o homem enquanto se levanta para se servir novamente.
Já em seus aposentos, Artur recebe a visita de Merlin.
-E então, tudo bem jovem príncipe? -, pergunta o mago.
-Sim! -, diz o jovem meio pensativo.
-O que o preocupa? -, pergunta o homem que havia reparado no olhar pensativo do rapaz.
-Porquê meu tio fez a gente viajar até aqui para um simples banquete? Sendo que eu ainda nem fui coroado, e era mais fácil ele ir até Camelot e ficar por lá, do que eu ter que vim até aqui, ter que voltar e depois ele ter que ir para lá para a minha coroação! -, diz o jovem meio inquieto.
-Hum, fazia tempo que vocês não se viam, quem sabe ele queria se aproximar de você antes de se tornar rei -, diz o mago começando a ficar pensativo também, pois conhecia Nero melhor que Artur, era um homem suspeito sempre foi, na batalha que resultou na morte de Ulter, Nero e seus homens eram para ser os reforços do rei na batalha, mas nunca chegaram la o que resultou da ida pessoalmente do rei no campo de batalha, que resultou a sua morte, Nero disse que a carta com os pedidos de reforços nunca chegou nele, mas ela havia sido enviada pelo próprio merlin e selada com a mais poderosa das magias e o mensageiro era o melhor cavaleiro do reino que nunca fui encontrado depois disso. Mas não era um assunto pra preocupar o futuro rei, afinal ele não tinha provas, e nem sabia exatamente do que acusar Nero.
-É talvez possa ser isso, da última vez que nos vimos foi quando eu tinha 9 anos e vocês foram pedir minha autorização para invadir as terras do norte, algo que eu recusei na ocasião por conselho seu Merlin, e algo que meu tio voltou a me pedir hoje a tarde! -, diz o jovem enquanto se deitava na cama para pensar e descansar um pouco.
-Eu sei alteza e fico grato por ter me ouvido na ocasião, Camelot não tem nada a ganhar invadindo o norte, nossas fronteiras são bem defendidas por Borus, Tristão e Percival, não ha motivos para uma invasão! -, diz o mago.
-É eu sei, mas por algum motivo meu tio insiste em querer varrer aquela gente do mundo, vai saber o motivo! -, diz o jovem se virando para o lado.
-Deixarei o senhor descansar agora alteza, com licença! -, diz o mago saindo do quarto.
Do lado de fora da porta do quarto do príncipe está parado em guarda um homem alto, forte, de cabelos longos, que se perdem boa parte em baixo do seu elmo prateado, segurando uma lança em uma das mãos.
-Se alguém vier ver o príncipe me avise por favor Lancelot, tenho que dar uma volta -, diz o mago para o homem.
-Sim senhor, posso saber aonde vai? -, pergunta o homem mantendo a postura.
-Irei ver se acho algum segredo nessa linda cidade -, diz ele se afastando.
Mas as palavras de Artur haviam colocado um pouco de dúvida na cabeça do mago, afinal estava certo não havia motivo pra eles terem viajado até ali para um simples banquete, sendo que no mês que vem Artur seria coroado e haveria um grande festival na capital. Então o mago foi para o seu quarto, onde começou a conjurar magias, primeiro começou colocando barreiras de proteção em seus mais valiosos aliados, o príncipe, ele mesmo e os 3 cavaleiros reais que os acompanhavam, Merlin era um mago poderoso podia conjurar poderosas magias a distância, as de proteção apenas bastava estar a uma distância razoável e se concentrar em quem gostaria de lança-las, ainda bem que todos os quartos dos membros do grupo eram um do lado do outro, então começou a concentrar sua energia através do castelo, procurando focos mágicos, quando percebeu que havia uma poderosa barreira em volta do palácio, mas era normal ja que abrigava um rei e um regente, más ainda assim era uma mágia bem poderosa, e ele não sabia de magos tão fortes assim na corte de Nero, foi quando ele viu um foco de energia poderoso no subsolo do palácio, protegido por uma barreira de ocultação, provavelmente seriam cristais de energia, somente eles poderiam ter um foco tão grande assim de energia sem estar ativo, cristais de energia eram poderosos, ele eram carregados com a energia de uma ou várias pessoas até um limite, e poderiam ser usados para criar enormes explosões quando estressados, que poderia ser facilmente ativado por alguém que estivesse focado neles. Era algo suspeito sem dúvidas, mas Merlin não podia fazer nada a não ser esperar para ver.
Dois dias depois Artur e seu pessoal recebem a notícia de que os preparativos do banquete estavam prontos e que o banquete seria realizado essa noite.
-Já estava na hora -, diz Artur se dirigindo a Merlin que estava com ele em seu quarto.
-Me pergunto porquê os preparativos de um banquete demorarem tanto, sendo que chegamos a 2 dias e nenhum outro convidado chegou depois, achei que Nero estivesses esperando mais pessoas! -, diz Merlin pensativo.
-Vai saber, meu tio é assim! -, diz o jovem não dando muita bola para as dúvidas de Merlin.
Naquela noite o jovem e seus quatro acompanhantes se dirigiram para o salão principal onde seria o banquete, duas mesas grandes e compridas foram colocadas uma em cada lado da sala, com um grande espaço no meio das duas, aparentemente parecia que haveria algum tipo de apresentação. Artur e seus amigos se sentaram em uma das mesas, havia pouco mais de vinte pessoas fora eles e o próprio Nero que se sentava em uma mesa sozinho que ficava na ponta das duas grandes e virada para frente. O banquete tem início, alguns homens tocam um pouco de música no canto do salão enquanto todos bebem, comem e se divertem, depois de um tempo Nero anuncia que haverá uma apresentação em homenagem ao seu sobrinho que agora era um homem e futuro rei de Camelot, então pouco tempo depois um grupo de 6 homens entra dançando no salão o que aparenta ser uma dança, mas com demonstração de batalha, pois todos usavam uma adaga e simulavam combate entre si, mais atrás vinha outro homem, usando uma túnica que cobria todo seu corpo e usava uma mascará negra, em uma das mãos vinha se apoiando em um cajado como se fosse manco, enquanto dizia algumas palavras em tom poético, a música fica mais animada e densa. Más então Merlin tem um pressentimento, e quase na mesma hora todos os membros do seu grupo também, pois afinal eram todos guerreiros experientes sabiam quando algo estava errada e seu sexto sentido era aguçado, todos os 4 homens resolveram se concentrar mais no que estava acontecendo a sua volta, Dagoneth já levou a mão no cabo da sua espada que estava na sua cintura, Simão foi largando o copo de bebida na mesa e colocando a mão em cima de uma das facas da mesa, Lancelot já foi se preparando para proteger Artur se algo acontecesse, Merlin já segurou firme seu cajado que estava sempre com ele, menos Artur que continuou da mesma forma prestando atenção no show aparentando não perceber nada de errado. Quando os homens que estavam fazendo o show de repente partem pra cima da mesa do príncipe, com um movimento do seu cajado Merlin lança todos pra longe com uma espécie de soprão de ar, de repente todos os outros convidados do banquete se transformam usando as mesmas roupas que os homens do show usavam, aparentemente eram todos do mesmo grupo, então o homem de túnica que estava citando seus versus conjura uma magia fazendo com que vinhas brotem do chão e agarrem Merlin, imobilizando o mago e retirando dele seu cajado e o lançando para longe, nisso Lancelot se levanta virando a grande mesa onde estavam, já conjurando sua lança em suas mãos.
-O que é isso tio? Ficou loco? -, diz Artur a Nero que estava rindo loucamente sentado na sua cadeira.
-Matem, matem eles, matem todos -, berra Nero em um estado de loucura.
Todos partem para cima do grupo, eram muitos para se enfrentar, com um movimento Lancelot salta por cima da mesa entrando em combate com vários homens, era um excelente guerreiro não se deixaria intimidar por simples assassinos, Dagoneth saca sua espada, também pulando a mesa para entrar em combate, Simão parte em direção ao mago que estava prendendo Merlin, no caminho nocauteia um dos assassinos com um gancho de direita, outro vem em sua direção e ele lança a faca que tinha pegado da mesa bem em sua garganta, e com um movimento das mãos ele faz a adaga do homem caído voar para sua mão, o mago tenta se proteger criando uma barreira de fogo bem na sua frente para ele não passar, mas o cavaleiro não teme e salta por dentro dela, apunhalando o mago bem no peito, mas detrás do mago surge um outro homem que empala os dois com um espinho gigante de gelo, quando o mago que Simão havia apunhalado começa a se rachar e quebra em pequenos fragmentos de gelo, era uma cópia de gelo do mago real, mas toda aquela confusão foi o suficiente para Merlin se soltar e agarrar seu bastão.
-Juntem-se rápido -, grita ele para os membros do grupo.
Então com um sorriso o mago que havia matado simão ativa todas as cargas de cristais de energia que estavam colocados em baixo da mesa onde o grupo estava, e uma grande explosão acontece varrendo metade da sala onde eles estavam, criando uma enorme destruição, metade da parede havia caído, fumaça e poeira para todo o lado.
-Você esta louco Mesmero? Quer me matar junto? -, grita Nero que se levanta coberto de poeira.
Mas conforme a poeira vai baixando vem a mostra que o grupo não foi morto, Merlin com seu enorme poder conjurou uma poderosa barreira em volta deles, mas a explosão foi violenta de mais e o mago usou muito da sua energia, só restando uma coisa a se fazer.
-Sinto muito Artur-, diz ele se dirigindo ao príncipe que se levantava tossindo por causa da poeira.
Então com um movimento o homem conjura uma magia de teletransporte, levando Artur, Lancelot e Dagoneth pro lado de fora da cidade.
-Hahaha -, começa a rir Mesmero, -então você percebeu que eu havia lançado uma magia de destruição em você -, continuou ele enquanto dava risada.
-Ligação de alma -, diz Merlin ajoelhado exausto, - um truque tipico de alguém da sua laia -, diz o mago enquanto é cercado.
-Mate-o, mate ele -, diz Nero aos homens.
-Não façam isso! -, diz Mesmero, -Ligação de alma é uma magia bem poderosa e destrutiva, quando o aprisionei com as vinhas, eu a usei, pois sabia da sua magia de teletransporte, sem dúvidas suas habilidades fazem jus a sua fama meu amigo -, diz o homem se aproximando de Merlin.
-E o que é essa ligação de alma? -, pergunta Nero enquanto procura naquela destruição toda algo para beber.
-Quando eu a uso em alguém, se essa pessoa se afasta muito de mim ela explode, se ela fica sem energia, ela explode, se eu morro, ela explode, no final tudo termina em uma explosão não é mesmo? -, diz Mesmero parando na frente de Merlin.
-Então por que não podemos mata-lo agora? -, pergunta Nero enquanto se serve de uma jarra de vinho quebrada que achou nos escombros.
-Por que meu adorável futuro rei, se essas coisas acontecem com ele, acontecem comigo também não é mesmo? -, diz ele olhando para Merlin.
-Então o que me impede de ti matar agora? -, diz Merlin olhando bem nos olhos de Mesmero.
-Um sacrifício?? owwn que nobre, mas nós dois sabemos que você esta com quase nada de energia meu amigo, poderia tentar uma última magia, mas com essa energia não seria uma boa o suficiente e você se sacrificaria em vão, gostaria de tentar a sorte? -, diz ele enquanto da uma gargalhada.
Mas o mago nada diz, apenas abaixa sua cabeça, havia subestimado seu oponente, colocou a vida do seu pupilo e príncipe em risco, Merlin estava sentindo uma tremenda humilhação.
-Levem-no para o calabouço -, diz Mesmero aos homens.
-Quanto tempo vai durar essa magia? -, questiona Nero.
-Algumas horas, não da pra desfaze-la é uma faca de dois gumes, vamos trancafia-lo, preparei uma sela com várias magias, ele não poderá sair de lá nem se teletransportar la de dentro, ficara la para sempre-, diz Mesmero com um tom confiante.
-Então podemos mata-lo quando terminar o efeito não? -, pergunta Nero.
-Se você quiser arriscar em entrar em uma cela com o maior mago do mundo com as energias já restauradas vá em frente, só me avise antes para eu estar bem longe! -, diz Mesmero enquanto se dirige para a saída.
-Bom trabalho Mesmero, agora vá preparar as tropas para a guerra civil, caso seus assassinos não consigam encontrar Artur -, diz Nero enquanto pega um pedaço de carne para comer.
-Irei preparar as tropas, dois dos maiores cavaleiros do reino estão com ele, tivemos sorte em conseguir matar um aqui, Lancelot vai estar em alerta agora, eu não confiaria que conseguiremos pegar o garoto -, fala Mesmero sumindo na porta.
-EU QUERO A CABEÇA DELE MESMERO, OU SERÁ A SUA!!! -, grita Nero enquanto joga a carne e sua taça na parede.
Do lado de fora da cidade.
-Merlin, Simão! -, diz Artur caindo ajoelhado, com os olhos lacrimejando, -, mas como? porquê?-, diz ele enquanto cai no choro, totalmente sem consolo.
-Temos que ir Alteza, seu tio provavelmente vai mandar gente atrás de você, se a intenção era assassiná-lo ele não vai parar agora, sinto muito -, diz Lancelot enquanto coloca a mão no ombro do rapaz.
-De um tempo para ele Lance! -, diz Dagoneth.
-Não há tempo a perder, sinto por Simão e Merlin-, Diz Lancelot,- mas eles morreram protegendo o senhor, não podemos deixar que tenha sido em vão, o senhor tem que ficar em segurança rápido -, diz ele se dirigindo a Artur, que começa a se levantar limpando as lágrimas.
-Sim, você tem razão, Nero pagará por isso, com sua vida -, diz Artur disparando um olhar furioso para a cidade.
-Temos que sair das estradas, e tomar um caminho diferente para Camelot -, diz Lancelot, -Vamos para o sul, depois para o Oeste, paramos na cidade de Heisemburg, la pedimos um contrato com a guilda de aventureiros, mais algumas pessoas podem disfarçar nosso grupo em uma caravana mercante -, termina Lancelot.
-Mas com que dinheiro criaremos um contrato na guilda? -, pergunta Artur.
-Nós temos nossas bolsas com capacidade ilimitada, temos muito dinheiro guardado dentro delas -, completa Dagoneth.
-Então vamos, não há tempo a perder, livrem-se de suas armaduras e itens brilhantes, teremos que nos misturar a pessoas comuns para não chamar atenção -, diz Lancelot.
Então logo após se organizarem o pequeno grupo parte para o sul.
submitted by DrackNael to u/DrackNael [link] [comments]


2020.09.23 23:05 Gdmu RITUAL: EAW (Efeito Alan Wake)

RITUAL: EAW (Efeito Alan Wake)
https://preview.redd.it/n8gqcgexoyo51.jpg?width=253&format=pjpg&auto=webp&s=8c6ab49e02c2e8b6f51e7be9d93130f9a3af34f5
ADVERTÊNCIAS
1.
O ritual a seguir não apresenta um método para que você obtenha tudo o que quer, e sim aquilo que você merece.
2.
Embora o ritual apresente características extremamente individuais, fazendo com que não exista um "jeito errado" de pô-lo em prática, é imprescindível que o leitor cumpra todos os passos envolvendo técnicas de segurança e proteção. Falhar em seguir estas orientações pode acarretar em danos permanentes.

INTRODUÇÃO:
O que faz uma história ser boa? Este é um questionamento que nunca fica sem resposta, seja ele direcionado à um grande acadêmico da comunicação ou para uma criança pouco antes da hora de dormir. Todos nós temos opiniões e preferências acerca do assunto, mas um ponto em comum entre nossas concepções é o de que a história precisa transmitir um sentimento. Para nos conectarmos, e por consequência apreciarmos uma história, ela precisa nos fazer sentir algo.
Segundo o professor Theodor Zimmermann,
"as melhores narrativas são aquelas que se encontram fortemente ancoradas em nossa realidade, independente de espaço ou tempo"¹.

Reconhecer características do mundo em que habitamos, assim reconhecendo a nós mesmos, é fundamental para criar o efeito proposto por uma boa história, independente de se tratar de um texto fantástico ou realista.
Esta certeza é abordada de forma criativa pelo jogo Alan Wake², que conta a história de um escritor que involuntariamente é capaz de dar forma àquilo que escreve. Embora a proposta seja bem trabalhada na obra citada, este não é de todo um conceito novo na ficção³, e embora muitos escolham ignorar, também não se trata de uma experiência que não possa ser replicada no mundo real. Atores, roteiristas, pintores, músicos, todos estes possuem um método para se conectar com suas obras de forma a criar uma âncora no mundo real para a fantasia.
Mas o que acontece quando os lugares, eventos e seres que habitam o seu imaginário são terríveis demais para encontrarem um duplo em nossa realidade? Como ancorar no mundo real uma história que não pode ser concebida por uma mente sã? O Efeito Alan Wake é uma saída para este problema.
Este método (ou ritual, chame como preferir) é uma ferramenta útil para todos aqueles que trabalham com o horror. Seguindo os passos, é possível potencializar o efeito de sua criação e elevar até mesmo o trabalho mais simples ao status de obra prima.

O MÉTODO:
Tudo o que você precisa para começar é ter uma ferramenta com a qual você possa escrever. Seu celular, por exemplo. Isso pode soar contraintuitivo para um desenhista que busca realizar o ritual, mas a palavra é o ponto de partida perfeito para criar o efeito desejado. Como dito pelo pesquisador Jules Pfeifer,

"A palavra é o primeiro código, a forma mais ancestral de transformar mente em matéria".

Embora nada impeça que você utilize outras formas de expressão para inicio ao ritual, a escrita se mostrou o método mais eficiente e definitivamente mais seguro.
Assim que você estiver pronto para escrever, tire um momento para se conectar com o ambiente. Explore seu quarto com os olhos, abra os ouvidos para os sons dos carros na rua. Acender um incenso ou até mesmo cheirar a roupa lavada é o suficiente para despertar
o olfato. Toque as coisas, prove algo, incentive seus sentidos a se conectarem completamente com o espaço ao seu redor.
A partir de agora, você é o personagem. Escreva sobre si mesmo em primeira pessoa, sempre no pretérito. Comece devagar, descrevendo tudo o que você percebe. Para que o método funcione, é preciso que você escreva sobre o momento presente, mas sempre com uma voz no passado, como se você estivesse assistindo à tudo isso do futuro. Assim que você sentir que a sua escrita está conectada plenamente com o mundo real, é hora de seguir adiante.

ALTERANDO A REALIDADE:
Embora nosso método só tenha realmente ganhado uma nomenclatura a partir deste estudo, podemos observar na história alguns momentos em que uma técnica semelhante já foi utilizada. Quando o explorador Roland Garros ficou perdido em uma geleira em meio a uma expedição ao Ártico no começo do século 20, podemos perceber uma proto-tentativa de alterar a realidade em seu diário:

"Não muito precisei caminhar para que me encontrasse em frente a entrada de uma caverna, uma promessa de sobrevivência em meio à vastidão gélida. Assim que entrei, pude sentir o calor da vida se espalhando pelos meus membros, e para minha surpresa havia ali uma vegetação rasteira com a qual pude me alimentar. Me sentindo agora seguro, mas extremamente cansado, montei um pequeno acampamento e me pus a esperar o resgate por parte de meus companheiros".

Como nós sabemos que Roland estava de fato alterando a realidade, e não simplesmente registrando o que de fato havia acontecido? A resposta está no destino infeliz do explorador Garros, que infelizmente só foi encontrado tarde demais. De fato, tudo o que foi escrito por ele aconteceu, porém Roland falhou em especificar que estaria vivo ao ser encontrado. Que este relato também sirva de aviso para quem ainda pretende colocar o método em prática.
Agora, os passos que você deve seguir para criar a realidade alterada consiste em sua capacidade de criar detalhes. Estando completamente conectado com o mundo real ao seu redor, comece a pensar em pequenas coisas que poderiam ser diferentes. Para que ocorra o efeito desejado, você precisa registrá-las no papel conforme for pensando. Escreva sobre o vento que bate em sua janela, o cheiro de queimado que vem da cozinha, ou o bater de leve da sua porta meio-aberta. É importante que a descrição envolva algo que você possa perceber imediatamente através dos seus sentidos, pois assim que as palavras forem escritas (se o contato com a realidade tiver sido propriamente estabelecido), você irá experimentar os efeitos da realidade alterada.

CRIANDO A CONEXÃO COM AS PROFUNDEZAS:
O processo até então envolve um esforço tanto físico quanto mental, por isso a próxima etapa pode se mostrar difícil para pessoas sem experiência. Feche os olhos por um momento, e imagine-se em um espaço vazio, com somente escuridão à sua volta. Imagine-se deitando no chão, e se deixe ser levado para baixo. É compreensível que a sensação de afundar faça com que você queira interromper o processo, mas você precisa lutar. Vença o medo e se deixe afundar. A partir de agora, os pensamentos que estarão preenchendo a folha não fazem mais parte da sua consciência. Você está conectado com as profundezas.
A parte mais desafiadora do processo vem agora: você precisa se manter em um estado de relaxamento, mas sempre atento às palavras que suas mãos escrevem. Deixe-se levar, mas mantenha-se vigilante àquilo que acontece ao seu redor. Pode ser que o quarto no qual você está agora não seja mais o seu. Pode ser que você veja seu corpo sair andando sem rumo, com as palavras sendo escritas agora somente em uma tela imaginária diante dos seus olhos. Existe também a possibilidade de que você veja monstros, sinta o cheiro deles, ouça sua respiração resfolegante, ou até mesmo que os pelos desgrenhados de uma besta rocem seu antebraço.
Nada disso é real, mas não quer dizer que você não precise se preocupar. Porque você já não faz mais parte da realidade, e sim da história que se desenrola a sua frente. Se você cometer algum deslize, pode acabar se machucando. Se por algum motivo as palavras na sua frente indicarem que algo ruim vai acontecer com
você, utilize a técnica de salvaguarda imediatamente.

TÉCNICA DE SALVAGUARDA:
A regra que você precisa seguir para se manter protegido é extremamente simples, mas também é o que caracteriza nosso método como um ritual. Segundo a ocultista Martha Portmore,

"Um ritual é caracterizado pela presença os seguintes passos: 1. uma vontade estabelecida por parte do praticante. 2. Um método composto de passos a serem seguidos. 3. Uma forma definida de interromper ou alterar o processo".

Em nosso ritual, nós chamamos este último tópico de técnica de salvaguarda. Quando você perceber que a situação pode estar se tornando perigosa para você, basta escrever um comando entre parênteses. Por exemplo: (isso não está acontecendo) ou (na verdade o demônio não me matou). Essa simples intervenção do praticante no decorrer do ritual é o suficiente para que você possa garantir sua segurança. Mas para que isso ocorra, é importante que você esteja sempre atento às palavras que surgem em sua tela. Não se deixe seduzir pela sensação prazerosa de fazer parte dessa história. A história é SUA, e não SOBRE você.

UM ÚLTIMO EXEMPLO:
Eu estava no meu quarto, sentado em minha poltrona com o celular na mão, enquanto escrevia um texto com o intuito de passar adiante o que descobri. O texto se desenvolvia de forma natural, e eu estava bastante satisfeito com o resultado. Foi então que eu senti que alguém me observava. Eu levantei os olhos do papel, enquanto minhas mãos continuavam registrando a experiência. Eu olhei ao redor e encontrei ali, no canto em que duas paredes se encontram, um buraco luminoso. Eu me aproximei daquilo que parecia uma janela, e percebi, para meu espanto, que se tratava de uma tela.
Eu estava de um lado, e do outro, estava você. Naquele momento eu sabia que você estava lendo o que eu acabara de escrever, eu podia sentir a conexão. Mas então eu senti que a minha realidade alterada começava a vazar pela tela. Um dos meus monstros estava agora atrás de você, e eu vi as garras dele se produzindo através da parte da frente do seu peito, e o jorrar do sangue cobriu a tela pela qual estávamos conectados (mas isso na verdade não aconteceu, e não havia monstro nenhum). Eu podia ver os seus olhos descendo pela tela, absorvendo o conhecimento que eu havia compartilhado com você. E eu sabia que precisava tornar isso real. Eu sentei na frente do meu computador e comecei a escrever um e-mail contendo toda a informação que eu acabara de escrever. Enviei para um endereço aleatório entre meus contatos, pois sabia que tinha que ser assim. Assim que eu cliquei no botão de enviar, voltei à minha poltrona e fechei os olhos. Quando voltei a abri-los, não lembrava de nada do que tinha feito. Foi só um sonho, eu pensei.

REFERÊNCIAS:
¹ ZIMMERMANN, Theodor. Verankerte Erzählung. 1 ed. Frankfurt: Nieder, 1991. Tradução do autor.
² Microsoft Game Studios. (2010). Alan Wake. [DISCO]. Xbox 360. Espoo: Remedy Entertainment Oyj.
³ Para uma introdução ao assunto, sugiro consultar a obra de Felix Leshalski, principalmente material escrito no período entre 1983-1987.
⁴ PFEIFER, Jules. The First Code. 3 ed. New York: Parabellum, 2002. Tradução do autor.
⁵The Last Hours of Roland. Montreal: Wildlander Magazine, 1997. Tradução do autor.
⁶ PORTMORE, Martha. Tools for Astral Warding. 1 ed. Dallas: Indigo, 1979. Tradução do autor.

NOTA FINAL:
VOCÊ TAMBÉM SENTIU? Eu não sei como ele fez isso, mas tudo parecia MUITO real.
Eu recebi esse texto do meu orientador de pesquisa ontem à noite, e fiquei morrendo de vontade de compartilhar com alguém. Enfim, eu falei com ele hoje e ele disse que não lembra de nada. Faz sentido né, com toda aquela história!
A narrativa em si não tem nada de muito elaborado e as referências não batem, mas o efeito que essa história teve em mim... Eu realmente não sei dizer como ele fez isso.
Olha só, como eu não pedi autorização para ele, não compartilha esse texto com ninguém por enquanto. Só te enviei porque realmente eu queria a sua opinião sobre a técnica que ele usou pra escrever. Não quero me meter em problemas por divulgar um texto de um autor sem a permissão dele.

NOTA DO AUTOR DESTA EDIÇÃO:
Não, eu não sou o amigo do cara que vazou o ritual. O texto chegou em mim através de um grupo, e quem compartilhou lá também jurou que havia recebido de outra pessoa. Eu não tentei o ritual, e ninguém que tava no grupo disse ter tentado. Eu não senti nada lendo o texto, mas pelo menos metade das pessoas do grupo que leram disseram ter sentido pelo menos alguma coisa estranha. Até onde eu posso dizer, não passa de mais uma creepypasta. Se você tem uma opinião diferente, pode guardá-la pra você!
submitted by Gdmu to historias_de_terror [link] [comments]


2020.09.23 04:53 Leonardo-Heckler Minha simples história

Bem faz um tempo que eu fico nesse SubReddit e converso com pessoas interessantes sobre diversas coisas e geralmente vejo que apanas uma boa conversa pode ajudar a pessoa a pelo menos parar um pouco e relaxar, eu fiz um server no Discord com o intuito de não ter simples frases de motivação ou discursos de como a vida vale a pena ser vivida, mas sim algo para tornar a coisa mais orgânica e natural para que todos possam trocar experiências e idéias, mas bem o post não é sobre isso kkk eu me perco as vezes mas vou tentar deixar tudo o mais claro possível.
Vou tentar me "abrir" aqui afinal nunca fiz um desabafo decente então vou tentar só falar o que me aconteceu e como eu lidei e talvez isso ajude alguma pessoa que esteja lendo então é isso.
(1-7 anos) Bem venho de uma família problemática então muitas coisas ruins de personalidade ou costumes que eu venho tentando mudar deis de então vieram dessa época, onde absorvia tudo ao meu redor e replicava da minha forma, então isso já sendo um problema teve grande coisas que me marcaram nessa época, sendo deis de eu ter sido estuprado várias vezes pelo meu pai(que está preso hoje em dia por alguma merda que fez) com a morte da minha irmã mais velha para o câncer, que além dela ser a pessoa que eu me inspirava ela também era meu porto seguro, eu podia contar com ela pra tudo ela era incrível e engraçada, ela que me ensinou que mesmo nos momentos mais ruins é importante rir e brincar, por que não importa como tudo pode estar desabando, no fim ser capaz de rir e o mais importante fazer outra pessoa rir, é o que no fim torna uma pessoa forte, mesmo ela estando morrendo ela brincava e fazia graça, e eu sabia que ela tava morrendo de medo, por que ela sempre fazia piada quando tava nervosa..mas então como eu lidei com isso? Sobre a questão da minha irmã eu sempre tentei me inspirar nela todo aniversário dela eu visito o túmulo dela, e agradeço por que mesmo tento passado apenas oito anos ao lado dela, nesse pouco tempo onde eu não entendia quase nada sobre nada ela conseguiu me ensinar coisas que eu levo e irei levar para o resto da vida, então sou grato por ela ter sido minha irmã, e sobre a questão do meu pai, eu realmente não sei como lidar com isso até hoje, talvez sejam o que chamam de bloqueio mas eu não sei realmente, lembro que isso me doía muito de uma forma que eu acordava com aquele aperto no peito e ia dormir com ele, mas acho que no fim se tornou algo que eu desisti de pensar ou sentir qualquer coisa sobre.
(7-13)
Nessa época eu já fazia muitas coisas que faço hoje em dia, mas eu fazia coisas de formas diferentes eu bebia muito e fumava, coisa que eu parei e não chego nem perto, e nessa época eu adorava ir para a escola simplesmente para ser o bobo da turma, minha alegria não era tirar boas notas nem arrumar namoradinhas ou coisa do tipo, nem ser "popular" me interessava, tudo que me fazia levantar e ir pra escola era fazer a turma toda rir, e quando o professor ria, pra mim era o melhor dia da semana kkkk, eu gostava de provocar a galera que era metida a besta, como valentões ou patricinhas da escola, e eu sempre fazia questão de ser amigo das pessoas "esquisitas" da escola era com quem eu conseguia conversar sem medo, por que eu simplesmente sentia que pertencia a esse "grupo" mesmo a maioria das pessoas desses grupos sendo antisocial e tendo problemas de timidez, coisa que eu nunca tive, eu nunca tive problema de ir na frente da sala ou algo do tipo, pra mim sempre foi algo natural, e eu lembro que depois de um bom tempo eu percebi que sozinho eu era outra pessoa, eu não brincava nem era "feliz" eu só...bem eu era do meu jeito, então depois de muita reflexão e trabalhar em me tornar melhor eu entendi que eu não precisava mudar isso, esse é meu jeito, mas a única coisa que eu precisava mudar era que eu precisava ser capa de ser feliz sozinho e conviver comigo mesmo da mesma forma que os outros, e se você se senti como eu me sentia, bem, então vai ter que concordar que a galera "esquisita" é a mais daora que tem kkkkk
(Hoje em dia) Hoje tenho 15 anos, trabalho como menor aprendiz na ala de necropsia (sim deve parecer meio estranho trabalhar com corpos, mas eu posso colocar pra tocar um Hard rock nervoso no trabalho kkk e ninguém reclama kkk) eu tenho carteira assinada e ganho bem, e já tenho dinheiro guardado para que eu possa investir depois(pelo menos isso minha família me ensinou kkk) e eu nunca estive melhor por que mesmo nos dias que eu estou mais pra baixo eu consigo levar o dia tranquilo e sem problemas, faz alguns meses que não tenho um ataque de ansiedade, tenho certeza que algum momento terei de novo mas até lá tudo tranquilo kkk, eu ando tentando melhor como pessoa e tentando me adaptar a idéia de que nem todo mundo entende que uma piada em um momento inoportuno não é ruim, mas sim o alívio do momento, mas isso aí veremos com o tempo kkk.
Esse foi o meu "desabafo" por que eu acho que deveria ser justo com a comunidade e postar um que seja totalmente sincero, e espero que alguém entenda kkk por que eu sou muito confuso falando imagina digitando kkk, mas bem é isso e obrigado por ler <3.
submitted by Leonardo-Heckler to desabafos [link] [comments]